Participantes ficaram satisfeitos com o plano.

Quarenta e três grandes empresas de diversos segmentos de Curitiba e Região Metropolitana (RMC) terão um prazo de trinta dias para apresentar à Prefeitura e ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP) um plano de gerenciamento dos resíduos recicláveis. Essa decisão foi tomada ontem, em reunião realizada na sede do Ministério Público. No encontro, foram debatidas novas alternativas para a implantação desse programa nos maiores geradores de resíduos em Curitiba e Região Metropolitana (RMC), visando a diminuição da leva de lixo para o aterro sanitário da Caximba.

De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Mário Sérgio Rasera, todos os participantes se mostraram satisfeitos com a definição do plano. Para ele, esse será um dos pontos principais para que se aumente o tempo de vida útil do aterro da Caximba, que atende a capital e mais 14 municípios. Por dia, chegam ao aterro cerca de 2,4 mil toneladas de resíduos.

As empresas de Curitiba apresentarão o plano para a Prefeitura. O IAP fica responsável por averiguar os geradores de resíduos da RMC. “Nesse primeiro encontro, conversamos com os empresários de shoppings, supermercados, Ceasa e dos aeroportos do Bacacheri e Afonso Pena. Nos próximos meses, outros segmentos serão incorporados”, explica Rasera. “Verificamos que todos estão dispostos a incorporar esse planejamento. Acredito que teremos uma participação significativa dos empresários dos municípios da Região Metropolitana”, completa o secretário.

Projeto

O vereador Reinhold Stephanes apresentou na segunda-feira, em caráter de urgência, na Câmara dos Vereadores, um projeto de lei que dispõe sobre a obrigatoriedade de implantação nas novas habitações coletivas e comerciais de Curitiba de um dispositivo de triturador de resíduos orgânicos. Segundo o projeto, residências ou estabelecimentos comerciais com metragem igual ou superior a 100 metros quadrados teriam que apresentar o aparelho. “Pretendo colocar esse projeto em votação antes da eleição. É assunto que diz respeito a toda a sociedade e de extrema importância”, conta Stephanes.