Não são apenas os pratos típicos das festas de Natal e Ano Novo que se tornam uma tentação nesta época do ano. Também fica difícil resistir à preguiça e à vontade de deixar as atividades físicas de lado mesmo que por alguns dias, principalmente durante as férias ou períodos de recesso no trabalho. Porém, a orientação é não ficar parado e aproveitar os dias de folga para descobrir novas modalidades de exercício.

Especialistas destacam que é importante manter a regularidade das atividades físicas, mesmo sem a rotina do dia a dia. Caso contrário, as conquistas de todo o ano ficam comprometidas e a adaptação no retorno ao exercício fica mais demorada. “Hoje as pessoas têm mais consciência, quem frequenta a academia o ano inteiro aproveita a viagem de férias pra caminhar, fazer uma atividade. Mas quem faz um mês e larga está sempre na fase de adaptação. Fica dolorido e não vê resultado”, explica o personal trainer e professor da rede de academias Fit Premium, Gilmar Ravazoli. “O organismo se acostuma muito fácil ao bem bom”, diz ele, que também aponta o risco do aumento de peso nos dias parados.

Fora da academia, são várias as opções para manter o corpo em movimento: caminhadas, corridas, passeios de bicicleta e esportes que podem ser feitos com a família, na praia, no campo ou na cidade, como bets, tênis, peteca, frescobol, futebol, vôlei e basquete. “Dá para fugir da rotina, não precisa fazer todo o dia a mesma coisa no mesmo horário, como no ano inteiro. Para não ficar cansativo, por exemplo, é possível fazer a atividade no horário oposto ao que a pessoa já faz. E estando com amigos e família tem mais gente para incentivar”, sugere Ravazoli.

O analista de sistemas Saulo Quinteiro, 27, não pretende ficar parado durante as férias da academia que frequenta. Além de jogar vôlei, ele começou a malhar cinco vezes por semana em maio deste ano e não quer perder os resultados que conquistou: 20 quilos a menos. “Tudo muda, autoestima, saúde, disposição, motivação e o desempenho no esporte”, conta. Por isso pretende continuar com o vôlei e vai começar a correr nos parques de Curitiba. “Fazer exercício faz bem e eu sinto falta da atividade física”, afirma.