O secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Luiz Eduardo Cheida, determinou ao presidente da Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (Sudhersa) Darcy Deitos, ações imediatas de limpeza e drenagem nos rios e canais de Morretes para que a água volte a escoar normalmente. A solicitação foi feita durante a avaliação dos estragos causados pela enchente realizada ontem, no litoral do Estado.

Os rios Marumbi e Bom Jardim, maiores afluentes do Rio Nhundiaquara, serão trabalhados emergencialmente pela Suderhsa. No Rio Marumbi será feita a retificação -as pedras que estão impedindo o fluxo do rio são colocadas nas suas margens, em dois pontos. No Rio Bom Jardim a prioridade é a limpeza e drenagem. Estes dois rios foram os que enviaram maior fluxo de água ao rio Nhundiaquara. “Essas são ações emergenciais, mas a médio prazo estaremos realizando estudos para avaliar a melhor forma de intervir no Rio Nhundiaquara, sem causar impactos ambientais, para tentar amenizar o problema de Morretes”, declarou Cheida.

Durante as fortes chuvas do último domingo, o Rio Nhundiaquara recebeu toda a água dos seus afluentes que descem a Serra do Mar e subiu cerca de cinco metros, transbordando ao chegar no perímetro urbano e inundando 80% do município.

Pontal do Paraná

Em Pontal do Paraná, o estrago causado pela chuva foi pequeno se comparado ao que ocorreu em Morretes. Foram registrados pequenos problemas de alagamento nos balneários de Praia de Leste, Canoas, Shangri-la e parcialmente em Atami. O município teve apenas 15 desabrigados devido à cheia que abalou o canal Shangri-la e o rio Canoas.