A celebração do Dia Mundial de Luta Contra a Aids no Paraná, nesta terça-feira (1º), terá como tema principal a luta contra o preconceito. Para isso, a Secretaria de Estado da Saúde, por meio das 22 Regionais da Saúde, está fornecendo aos municípios diversos materiais informativos, como cartazes e folders com o tema “Viver com Aids é possível, com o preconceito não”, além de preservativos e testes rápidos, para que possam realizar atividades de prevenção da doença e, principalmente, de acesso à informação.

Ainda não existe cura comprovada para a Aids e nem vacina, mas com o avanço da ciência, o tratamento com medicamentos permite aos portadores melhor qualidade de vida.

“A única maneira de evitá-la é a prevenção e o diagnóstico precoce. Muitas pessoas já contraíram o vírus HIV e não sabem porque ainda não desenvolveram a doença, mas elas também transmitem o vírus”, explica o secretário Gilberto Martin.

Em uma ação promovida pelo Governo do Paraná, do dia 13 de outubro a 15 de dezembro de 2008, foram realizados mais de 50 mil testes, entre rápidos e convencionais, e 527 foram positivos.

Destes, apenas 48 pessoas já estavam notificadas como soropositivas. Após esta mobilização, 181 municípios do Paraná implantaram o teste rápido como diagnóstico.

Dados do Sistema de informação de Agravos de Notificação (Sinan) mostram que os coeficientes de incidência vêm diminuindo, nos últimos cinco anos, no Paraná. Em 2004, o coeficiente era de 12,96 casos para cada 100 mil habitantes, e em 2008 este número foi de 7,72.

Mesmo com a redução nas taxas de incidência, as iniciativas de prevenção não podem ser deixadas de lado. Em 20 anos foram notificados e diagnosticados 22.196 casos da doença no Paraná.

Os homens são os mais afetados, com 66,17% dos casos, porém, nos últimos cinco anos foram observados sensíveis aumentos nos casos em meninas, na faixa etária dos 13 a 19 anos.

As regiões com maior incidência de casos são Paranaguá, com 24,5 casos para 100 habitantes, região de Londrina, com 16,5 casos, e região metropolitana de Curitiba, com 15,2 casos por 100 habitantes.

O número de óbitos também caiu. Em 1995 foram notificados 857 casos no Paraná, com 515 óbitos. Em 2008 foram 1.298 casos, sendo que 254 portadores morreram.

“Com o acesso aos medicamentos gratuitos, o número de óbitos reduziu, mas as pessoas continuam se contaminando, por isso estamos investindo em prevenção”, enfatizou o coordenador.

Para celebrar o Dia Mundial Contra a Aids, as 22 Regionais de Saúde, em parceria com os municípios, vão realizar diversas ações. Em Curitiba serão realizadas atividades no Memorial de Curitiba e, em Foz do Iguaçu, será realizado o III Seminário sobre a Feminização da Aids.

Além disso, os técnicos do Programa Estadual de Controle a DST/Aids participaram da Oficina de Instrumentalização para Lideranças Comunitárias e Religiosas em DST/HIV/Aids, realizada em Paranaguá neste domingo (29).