Chuniti Kawamura/O Estado
Afonso Pena: vôos paralisados atingiram embarques e desembarques em outros aeroportos.

Quem tinha vôo marcado entre a noite de domingo e ontem no aeroporto Afonso Pena precisou de muita paciência. Sessenta e quatro dos 108 vôos previstos entre às 6h e 18h de ontem tiveram atraso médio de duas horas. No domingo, este tempo foi ainda mais longo, de 3h15, em média. Segundo a Aeronáutica, o transtorno foi causado pela ruptura de uma rede de cabos de fibra óptica por onde transitam dados de comunicação do Centro Integrado de Defesa e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta 2).

A interrupção fez com que alguns vôos marcados ainda para a noite de domingo deixassem de decolar, persistindo o atraso durante a madrugada e manhã de segunda-feira. Foi o caso do vôo da Gol 1956, que veio domingo de Congonhas, São Paulo, às 22h40, e cujos passageiros iriam para Foz do Iguaçu às 23h25. Foi-se a madrugada à espera do embarque e até as 8h de ontem ninguém havia repassado informações sobre o novo horário da viagem. Por volta das 8h30, cerca de 40 passageiros se revoltaram e invadiram o pátio do aeroporto – de onde chegam e partem as aeronaves -, onde permaneceram por 10 minutos.

A Polícia Federal foi chamada e retirou as pessoas do local, que foram para o saguão protestar pelo descaso. Durante esse tempo todas as operações no aeroporto foram suspensas. Somente às 9h30 os passageiros seguiram para Foz do Iguaçu.