A Defesa Civil de Maringá, no noroeste do Paraná, onde ocorreu na noite de domingo (26) o desabamento de todas as 15 sacadas de um dos lados de um prédio residencial, tem prazo de até 30 dias para concluir a perícia que vai apurar as causas do acidente.

O Corpo de Bombeiros ainda está no local retirando os escombros. Não há registro de vítimas.

O desabamento ocorreu por volta da meia-noite. Os moradores, assustados, tiveram de sair dos apartamentos atingidos por estilhaços das vidraças das sacadas para a vistoria do Corpo de Bombeiros. Após um período de três horas todos puderam retornar.

Segundo o chefe da Defesa Civil, capitão Jair Pereira, não foi constatado nenhum problema que comprometa a estrutura do edifício. “As vigas de sustentação estão intactas”, disse.

O acidente aconteceu devido ao rompimento da marquise do prédio. A primeira sacada a cair foi a do 15º andar e com o peso, todas as outras foram cedendo, em um efeito dominó.

A Defesa Civil vai fazer um comparativo do projeto estrutural do edifício para verificar se o cálculo de ferragens para suportar o peso está correto. O laudo será feito em conjunto com o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Paraná (Crea-PR).

A orientação da Defesa Civil para todos os moradores de prédio é que realizem inspeções periódicas nas marquises.

“Os acidentes por queda de marquise podem trazer graves conseqüências. Nossa orientação é que os síndicos verifiquem se não há acúmulo de água ou umidade, atacando a armadura ou deficiências de drenagem”, recomendou.