Foto: João de Noronha/O Estado

Chamas ainda atingiam um pequeno vale próximo aos morros.

Foi debelado ontem o incêndio nos morros Alpina e Jaguatirica, que ficam na região de Mata Atlântica em Campina Grande do Sul. Mas as chamas ainda atingiam um pequeno vale próximo do local. Como a área é perigosa durante a noite, os bombeiros só vão retomar o combate hoje pela manhã. No local ficou apenas um grupo para fazer o monitoramento. Até agora não foi possível calcular o tamanho da área destruída.

No último sábado os bombeiros estiveram no local para combater pequenos focos, mas, segunda-feira, outro incêndio atingiu a região. Ontem, 35 homens do Corpo de Bombeiros (CB) e mais 10 homens da brigada de incêndio do município de Campina Grande do Sul conseguiram debelar as chamas nos dois morros, mas o fogo ainda queimava em um pequeno vale. Como o local é cheio de grotas, o trabalho à noite é arriscado e a corporação resolveu retomar as atividades às 6h de hoje.

Ontem, o major Samuel Prestes sobrevoou a área com um monomotor. Devido à instabilidade da aeronave e à fumaça, não foi possível calcular o tamanho da área atingida. Hoje os bombeiros devem utilizar o helicóptero que estava combatendo incêndios no oeste do Estado para fazer esse tipo de análise.

Parque

A chuva que caiu forte em praticamente todo o oeste do Paraná na manhã de ontem ajudou a apagar o fogo que consumia parte do Parque Nacional do Iguaçu, em Céu Azul, desde a tarde de sexta-feira. Num sobrevôo de helicóptero, técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estimaram que cerca de 60 hectares podem ter sido queimados.

A partir de agora, devem ser feitas perícias para tentar identificar a origem do fogo. No dia 23 de julho, um incêndio nas proximidades consumiu cerca de 40 hectares e teria sido causado por caçadores clandestinos. A área é rica em biodiversidade e é habitada por grandes mamíferos, como antas e onças. O parque, que é Patrimônio da Humanidade, tem 185 mil hectares, e se constitui em uma das últimas áreas de floresta nativa do Paraná. O Corpo de Bombeiros registrou mais de 300 focos de incêndio no Estado nos últimos dias, fruto da longa estiagem.