Aos 65 anos, a aposentada Noêmia Ferreira é divorciada e mãe de três filhos. Moradora da comunidade de São Judas Tadeu, em São José dos Pinais, Dona Noêmia vivia uma vida pacata, apenas cuidando do lar, sem grandes expectativas. Até que um dia viu uma faixa que oferecia um curso de costura. ‘Eu já sabia costurar, mas resolvi arriscar para aprender mais um pouco‘, conta a dona de casa. O que Dona Noêmia não sabia é que ela estava dando um passo que pode mudar o rumo de sua vida.

Gerson Klaina
Para Derci, é a grande oportunidade da vida.

Junto com outras 44 mulheres, Dona Noêmia participa do projeto “Costurando o Futuro”, realizado pelo Instituto Volkswagen e pela prefeitura de São José dos Pinhais, com apoio do Instituto de Organização Racional do Trabalho (Idort). O programa oferece às mulheres moradoras das comunidades de São Judas Tadeu, Guatupê, Jardim Ipê e Parque da Fonte o curso de capacitação técnica e profissional em corte, costura e empreendedorismo.

O curso tem a duração de 15 meses e todo o material utilizado nas aulas são os tecidos automotivos descartados pela fábrica da Volkswagen instalada no município. O projeto também recebe material excedente da marca de camisas Dudalina. ‘São materiais que todo mundo estranha, por não serem comuns, mas que fica bonito quando se faz bolsas, mochilas e porta-objetos. Os nossos produtos são lindos‘, se orgulha Derci Aparecida Ribeiro, 43 anos.

Gerson Klaina
Dona Holanda: costurar para quem precisa.

Casada e com cinco filhos para criar, Dona Derci está encarando o curso como a grande oportunidade de sua vida. ‘Nunca tinha costurado e agora eu estou podendo aprender uma atividade que eu gosto de fazer e que pode me render um bom dinheiro no futuro. Quando vi essa chance, agarrei com as duas mãos e não solto mais‘, brinca a dona de casa, que pretende abrir um pequeno estúdio de costura após o fim do curso.

Plano de criar cooperativa

Gerson Klaina
Noêmia resolveu arriscar para aprender mais.

Já Dona Holanda Catarina de Souza, 53 anos, pretende costurar para ajudar a comunidade onde mora, no Guatupê. Dona Holanda estava desempregada quando surgiu a oportunidade do curso. ‘Eu sempre trabalhei com serviços gerais, mas não estava conseguindo parar em emprego nenhum. Então pintou esse projeto, que eu estou adorando. Conheci pessoas novas e aprendi algo que eu não sabia, que era costurar. Quero terminar o curso e, se pintar a cooperativa da região, quero costurar para as pessoas que precisam‘, diz Dona Holanda.

De acordo com Eduardo Barros, diretor de assuntos jurídicos e responsável pela área de sustentabilidade da montadora, o projeto tem como principal objetivo oferecer a possibilidade de um futuro promissor às participantes do programa. ‘Queremos apresentar novas perspectivas às nossas alunas, empregando os pilares da sustentabilidade, que abrange os aspectos sociais, econômicos e ambientais‘, destaca.

<,td>Curso gratuito de corte, costura e empreendedorismo vai gerar renda pra 44 mulheres de São José dos Pinhais.
Gerson Klaina