Com o término do período das férias escolares e retorno das pessoas à rotina diária, o uso das academias ao ar livre aumenta. Em toda a cidade, são 125 academias espalhadas pelas nove regionais da cidade.

  O acompanhamento de frequência realizado pela Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Juventude (Smelj) mostra que o número de usuários desse equipamento cresce nesta época do ano. Em janeiro do ano passado, 260 mil pessoas utilizaram os equipamentos instalados nas praças, centros de esporte e lazer e parques da capital. Nos demais meses, a média de utilização foi de 322 mil pessoas.

Praticar atividades nas academias ao ar livre é recomendado para maiores de 12 anos, mas qualquer pessoa pode e deve se exercitar. O projeto das academias, no entanto, foi desenvolvido com atenção especial ao usuário com mais de 60 anos.

 De acordo com o coordenador do projeto Academiação, professor Carlos Alberto Ghesti, do Centro de Referência Qualidade de Vida e Movimento da Smelj, a prática regular de exercícios nas academias promove aos frequentadores uma série de benefícios, como o aumento do gasto calórico, a diminuição do nível de colesterol, triglicerídeos e atua reduzindo os problemas causados por doenças metabólicas. Os exercícios servem, ainda, para fortalecer, alongar e relaxar a maioria dos músculos do corpo promovendo maior agilidade e flexibilidade.

 Segundo o professor, outro grande benefício proporcionado pelas academias ao ar livre diz respeito ao convívio social. “A atividade física realizada em espaços onde as pessoas podem se encontrar sem formalidades melhora o convívio social, a auto-estima, a redução do estresse, da ansiedade, ajudando também no tratamento da depressão”, explicou Ghesti.

 Procura

 Os aparelhos das academias foram projetados para utilizar o peso e a força do próprio usuário para movimentá-los, garantindo mais saúde sem exigir grande esforço. Nesses espaços públicos constam painéis ilustrativos que explicam como os exercícios devem ser realizados em cada equipamento.

 Não é possível ter um professor de educação física em cada uma das 125 academias ao ar livre durante 24 horas por dia. Mas em caso de dúvidas, os usuários podem consultar um profissional da Smelj que fica à disposição em horários e locais pré-determinadas, devidamente comunicados ao público. Esse suporte ao frequentador faz parte do projeto Academiação e, segundo o coordenador Carlos Ghesti, a intenção é intensificar a rotina de atendimentos neste ano.

 Em Curitiba, o projeto das Academias ao Ar Livre teve início com a inauguração do primeiro equipamento em janeiro de 2009. Foi no Parque Barigui. Atualmente as unidades do Parque Barigui e do Passeio Público são as mais procuradas pela população. Tem fluxo mensal estimado entre 8,5 e 12 mil pessoas.