Curitiba ganhou ontem seus primeiros ônibus movidos a biocombustível, feito à base de soja e com índices de emissão de poluentes menos prejudiciais ao meio ambiente.

De início, seis veículos que fazem o trajeto Linha Verde (Pinheirinho – Praça Carlos Gomes) usaram o combustível, mas a expectativa da Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs) é que, à medida que a frota for renovada, seja adaptada a este tipo de motor. A novidade faz parte de um projeto da prefeitura de Curitiba.

O prefeito Beto Richa “inaugurou” os seis ônibus fazendo o abastecimento deles, ontem, na empresa de ônibus Viação Cidade Sorriso, no bairro Umbará. Segundo o gestor de Vistoria e Cadastro da Urbs, Élcio Karas, o novo sistema deverá reduzir em 70% a emissão de fumaça e 30% a de dióxido de carbono, que provoca o aquecimento global.

Os índices não chegam a 100% porque existem cinco categorias de padrão de emissão, desde a Euro 1 até a Euro 5 (que seria a emissão zero, só existente na Europa).

Karas estima que o novo combustível será 20% mais caro do que o diesel comum. Ele e o prefeito, entretanto, garantem que esse acréscimo não vai encarecer a passagem.