Com o tema “Ilumine esta Campanha da Cidadania”, as Apaes (Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais) do Paraná, em parceria com a Pastoral da Criança e a Copel, vêm tentando arrecadar fundos para ações de atendimento às crianças e adolescentes portadores de deficiência. O cidadão pode colaborar doando R$ 1, ou valores maiores, através da conta de luz. O primeiro débito acontece 45 dias depois que o cidadão aderir à campanha, e o cancelamento pode ser feito a qualquer momento através do 0800 fornecido na conta de luz ou de uma manifestação por escrito. Em Curitiba, a intenção é atrair 300 mil pessoas até o final do ano.

De acordo com o presidente da Apae em Curitiba, José Diniewicz, campanhas como essa auxiliam no incremento da arrecadação. Segundo ele, a Apae de Curitiba registra déficit mensal de quase R$ 30 mil. São 738 alunos matriculados nas cinco unidades da capital – no centro, Seminário e três em Santa Felicidade. Os gastos, informa Diniewicz, somam R$ 130 mil, enquanto os repasses do governo estadual e federal não passam de R$ 100 mil – R$ 72 mil por parte do governo do Estado, através da Secretaria de Educação, e R$ 23 mil por parte da União, através da antiga LBA. “Estamos sem receber da ex-LBA desde janeiro”, revela Diniewicz.

Arrastão

Para sensibilizar a população, equipes de voluntários da Apae Curitiba têm visitado escolas estaduais, municipais e particulares, além de outras entidades, como associações e sindicatos. “Estamos fazendo uma espécie de arrastão por toda a cidade”, conta. Para Diniewicz, o dinheiro fará com que os alunos das Apaes de Curitiba tenham melhor atendimento. “A piscina térmica, por exemplo, está desativada porque o motor quebrou, e o conserto custa cerca de R$ 5 mil. Não temos recursos para isso. Também faltam equipamentos de educação física”, cita. Trabalham na Apae Curitiba 164 funcionários, entre professores e profissionais multidisciplinares, como dentistas, médicos, assistentes sociais.

Em todo o Paraná existem unidades da Apae em 300 municípios, que atende cerca de 35 mil alunos. O repasse da verba será específico para o município doador, ou seja, para quem mora em Londrina, por exemplo, o recurso será destinado às unidades daquela cidade.