A Copel (Companhia Paranaense de Energia) completa hoje 49 anos de existência. Mais do que simplesmente comercializar energia, a Copel é uma criadora de soluções em engenharia de empreendimentos e em operação e manutenção de usinas. Hoje, sob a direção de Paulo Cruz Pimentel, a empresa quer crescer ainda mais e ser reconhecida mundialmente pela sua alta qualidade na geração e distribuição de energia elétrica.

Atualmente, a rede de geração da Copel é composta por 18 usinas (17 hidrelétricas e uma termelétrica) espalhadas pelo Estado, com capacidade para gerar 4.549 MW de energia. Com esses números a empresa é hoje responsável por mais de 6% da capacidade instalada no sistema nacional e por cerca de 9% no sistema Sul/Sudeste/Centro-Oeste.

Um dos maiores objetivos da Copel é servir à sociedade, mantendo uma relação de grande respeito com o meio ambiente. Para isso, a Copel busca a constante capacitação e valorização das qualificações de seus profissionais, aliando esse trabalho aos objetivos estratégicos da empresa. Isso faz com que a Copel seja freqüentemente premiada pela Aneel entre as melhores empresas do setor de energia elétrica do País.

História

Em 1956 a Copel centralizou todas as ações governamentais de planejamento, construção e exploração do sistema de produção, transmissão, transformação, distribuição e comércio de energia elétrica e serviços ligados ao setor. A partir de então, a empresa incorporava todos os bens, serviços e obras em poder de diversos órgãos e investia utilizando os recursos do Fundo de Eletrificação.

A partir da década de 60 o maior desafio da Copel era buscar uma solução definitiva para o abastecimento de energia elétrica em larga escala, pois o consumo de energia se tornava cada vez maior. Os racionamentos eram uma constante e o número de consumidores crescia em todas as categorias: entre 1960 e 1970, os consumidores residenciais passaram de 17.055 para 126.528; o número de ligações industriais saltou de 96 para 1.833 e as localidades atendidas cresceram de 14 para 245. Esses desafios foram enfrentados com pesados investimentos na construção de grandes centrais elétricas, tanto na Serra do Mar como no Rio lguaçu.

No início da década de 70 já estavam concluídas as usinas de Salto Grande do Iguaçu, Júlio de Mesquita Filho e Capivari-Cachoeira, que no momento da sua inauguração era a principal unidade geradora da Copel e a maior usina em funcionamento no Sul do Brasil.

Nesse período, a Copel incorporou 23 empresas privadas, 47 órgãos municipais fornecedores de energia e 123 empresas auto-produtoras. Ao mesmo tempo, consolidava-se a implantação do sistema elétrico estadual e a interligação deste com as regiões Sul e Sudeste do País, além do Paraguai.

Hoje as usinas, as linhas de transmissão e de distribuição da Copel oferecem luz e conforto para todo o Estado do Paraná e para os estados vizinhos. Esse sucesso foi alcançado ao longo dessas quase cinco décadas de muito trabalho e do aproveitamento racional do grande potencial hidráulico, domínio tecnológico e espírito empreendedor dos colaboradores da empresa.