O Corpo de Bombeiros restringiu a entrega e o consumo de água mineral do efetivo que trabalha na Operação Verão no Litoral do Paraná, inclusive os guarda-vidas que atuam nas praias. Os bombeiros passaram apenas três garrafas por dia: uma para o turno da manhã e duas para o período da tarde. A quantidade normal é de cinco por dia, uma a mais por turno.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

No memorando do 8º. Grupamento de Bombeiros, de Paranaguá, da última terça-feira (5), a determinação foi de que todos os bombeiros que estejam enquartelados consumam água em copos distribuídos pela Sanepar ou em bebedouros internos.

Segundo a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros, a redução no fornecimento foi motivada pelo forte calor desde o início da Operação Verão, que foi maior do que a média dos últimos anos. Com isso, cerca de 70% do estoque de água mineral previsto até o feriado de carnaval já foi consumido.

O Corpo de Bombeiros informou que um novo lote de água mineral foi comprado e que deve guarnecer o Litoral nos próximos dias e retomar a distribuição normal. Até lá, vai contar com o apoio da Sanepar por meio de distribuição de copos de água.

Reação

O presidente da Associação de Praças do Estado do Paraná (Apra-PR), que representa soldados, cabos e sargentos da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, Orélio Fontana Neto, considera um “absurdo” a restrição no uso de água mineral. “Uma hora é protetor solar que falta, agora é água. É um absurdo. Arrecada-se muito dinheiro e não fornecem os serviços essenciais. É uma necessidade urgente que precisa ser revista”, comentou.

Morte na ‘Prainha da Itupava’ põe em cheque a segurança do local