Moradores trocam pneus velhos por alimentos.

Pneu velho por comida. Desde ontem os curitibanos podem fazer essa troca. A novidade foi oficialmente lançada ontem pelo prefeito Cassio Taniguchi. Agora, no programa Troca do Lixo, além de resíduos orgânicos, a população poderá trocar pneus velhos por alimentos. A decisão é pioneira no Brasil. Para cada cinco pneus velhos retirados das ruas será oferecida uma sacola com 10 kg de hortigranjeiros. Os pneus recolhidos serão reciclados. O lançamento foi realizado na Vila Esperança, na Cidade Industrial, e reuniu moradores da região. A decisão de incluir sucata de pneus no programa municipal Compra do lixo foi tomada por Cassio em novembro do ano passado, durante a campanha nacional do Dia D contra a dengue.

“A destinação de pneus velhos é um problema sério para as cidades brasileiras”, disse o prefeito. “A troca por alimentos nos permite retirar das ruas os pneus usados, que são foco do mosquito da dengue, enriquecer a dieta da população mais carente e beneficiar o pequeno produtor agrícola de Curitiba e região.”

Depois de pedir para que as pessoas se preocupem sempre com a saúde, Cassio fez a entrega das primeiras sacolas de alimentos, compostas por batatas, cebolas, bananas e laranjas. Cerca de duzentas pessoas entregaram pneus velhos e 2,5 toneladas de comida foram entregues.

A primeira da fila era Luíza Cubas, de 40 anos. “Fiquei sabendo da troca fui com meu marido recolher pneus”, disse. “Encontrei esses perto de casa. É bom porque a gente leva comida para a família.” Luíza tem seis filhos com idades entre seis meses e 15 anos. Outro que fez a troca foi Moisés da Silva, de 13 anos, que encontrou quatro pneus de automóveis e um de caminhonete. “Vou levar a sacola para casa para o almoço”, disse.

O programa Compra do Lixo foi criado em Curitiba há 14 anos para viabilizar a retirada de resíduos das comunidades mais pobres. Nos últimos cinco anos, 32 mil toneladas de lixo foram recolhidas dessa maneira. Em troca, a Prefeitura ofereceu no mesmo período 4,5 mil toneladas de alimentos.

O programa foi implantado em 28 comunidades carentes e beneficia cinco mil famílias. As associações de moradores cadastram os participantes e distribuem semanalmente os hortigranjeiros adquiridos pela Prefeitura por meio de convênio com a Federação Paranaense das Associações de Produtores Rurais (Fepar).

O sistema de coleta e destinação final dos pneus velhos será gerenciado por um convênio firmado entre a Prefeitura de Curitiba, a Petrobras e a BS Colway. Os pneus coletados serão vendidos à BS Colway, que fica em Piraquara, onde serão picados e encaminhados à Petrobrás de São Mateus do Sul, para reciclagem na Usina de Xisto.

Lixo sem destino final definido

Guilherme Voitch

Embora a Prefeitura tenha encontrado uma solução para os pneus dispensados de carros e caminhonetes, a situação dos pneus de caminhões continua sem solução. Conforme O Estado já havia relatado, os quase 8 mil pneus dispensados mensalmente em Curitiba e Região continuam sem destino.

Desde que o aterro da Caximba atendeu a determinação 258 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), os pneus estão sendo guardados de forma provisória pelos recapadores. O Sindicato das Indústrias de Artefatos de Borracha do Estado (Sindibor-PR), a Associação Nacional dos Produtores de Pneus (Anip) e a Prefeitura de Curitiba estudam uma solução. Várias reuniões já foram feitas e segundo o diretor do Sindicato da Borracha, João Artur, a Anip deve dar uma resposta na próxima semana. Pela determinação do Conama, os fabricantes devem dar destino final a 50% da produção total de pneus.