Motoristas que resolveram passar o feriado de Nossa Senhora Aparecida fora de Curitiba tiveram a chuva, ontem, como principal empecilho durante o retorno à capital.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), até a meia-noite de domingo, foram registrados 75 acidentes com vítimas e seis mortes. Já a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) computou, até o final da tarde de ontem, 124 acidentes, com 150 feridos e 17 mortes.

Na BR-277, que liga a capital ao litoral do Estado, o fluxo de veículos foi considerado intenso pela Ecovia, concessionária que administra o trecho. Até o início da noite de ontem, eram aproximadamente 2,1 mil carros por hora deixando as praias paranaenses, fluxo considerado cinco vezes maior do que em dias normais.

Quem deixou os balneários de Pontal do Paraná através da PR-407, enfrentou pontos de lentidão ao longo dos 19 quilômetros da estrada. Até o início da noite de ontem, a Ecovia já havia registrado a passagem de 80 mil veículos nos dois sentidos da rodovia. Outros 10 mil ainda deviam fazer o mesmo percurso durante a noite.

Nas rodovias que ligam a capital ao interior do Estado, a Rodonorte, concessionária que administra trechos das estradas que ligam Curitiba a Apucarana e Ponta Grossa a Jaguariaíva, informou que o fluxo de veículos durante o feriado aumentou, em média, 90%. Ontem, o fluxo de veículos na praça de pedágio de São Luiz do Purunã era de aproximadamente 1.250 por hora.

Já os que optaram em passar o final de semana prolongado em Santa Catarina, também enfrentaram fluxo intenso nas BRs 376 e 101, que ligam o Paraná ao estado vizinho.

De acordo com a OHL, concessionária que administra o trecho entre Curitiba e Palhoça (SC), mesmo com o forte movimento, não foram constatados pontos críticos de congestionamento.