Moradores reclamam do córrego que cruza a Rua Deputado Waldemiro Pedroso. Cheiro forte, ratos, lixo e mato alto incomodam. “Tem que dar um jeito de roçar isto aqui. Já ligamos no 156, mas ninguém veio”, comenta Valdir Laranjeiras, o Baiano, morador do bairro há 40 anos. Além disso, quando chove forte, ele teme enchentes.

Em uma das margens do córrego, na esquina com a Rua Dalila Rolim Vargas, um terreno baldio preocupa. O local já foi alvo de cinco invasões, todas desmanteladas. Mas há décadas outras famílias se instalaram no local. Três meses atrás, alguns moradores foram retirados e encaminhados a casas construídas pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab).

“Entrava água direto em casa, além dos problemas com ratos. A mudança foi boa. Só que retiraram as pessoas e ficaram os restos das casas na beira”, conta Marcos Antônio Arnunes, que morou no local por oito anos, mas ainda trabalha na região. Pra quem ficou, fica a expectativa de quando o restante das famílias será retirado. “Já nos disseram que temos que sair também, mas não acho justo. Estou aqui há 25 anos. Podiam fazer uma alternativa, como demolir parte do terreno”, afirma a moradora Cleide Simões Duarte.

A Cohab informou que os entulhos não foram retirados da margem do córrego pra evitar a formação de nova invasão. A retirada dos moradores será gradativa. No local será feita a recuperação ambiental e podem ser instalados equipamentos de lazer. Fiscais da Secretaria de Urbanismo vão vistoriar o terreno baldio e devem notificar o proprietário pra providenciar a limpeza.