O Eixo da BR e uma série de obras executadas nos últimos sete anos, principalmente de saneamento e pavimentação, foram temas do encontro do prefeito de Curitiba, Cassio Taniguchi, com a comunidade de bairros da regional do Boqueirão. O encontro, no Ginásio de Esportes da Rua da Cidadania do Carmo, foi na noite de quinta-feira, após uma série de audiências que o prefeito fez diretamente com líderes da região.

Cassio prestou contas das ações da Prefeitura nos últimos sete anos. “A infra-estrutura numa das mais tradicionais regiões da cidade vem sendo implantada continuamente, atendendo os interesses comunitários e sempre visando uma melhor qualidade de vida para os cerca de 190 mil habitantes que moram e trabalham nesta região”, disse Cassio.

No encontro, o administrador regional do Boqueirão, Paulo Sondhal, lembrou das enchentes na região, comuns até 1997. “Hoje são apenas lembrança, graças às obras de saneamento, drenagem e dragagem dos rios”, disse ele. “A eliminação de uma enorme pedra existente no Rio Belém marcou o fim do drama das cheias, bem como a construção do canal extravasor no Parque Náutico”, lembrou o administrador.

O prefeito falou das obras de eliminação das cavas de areia às margens do Rio Iguaçu, perigosas e sob risos de ocupações ilegais em fundo de vale. “O esforço para eliminação dessas cavas resultou na raia olímpica, modelo em toda a América Latina e palco de provas nacionais e internacionais de remo e canoagem”, disse Cassio.

Saneamento e obras

Cassio enfatizou as obras de dragagem dos rios Belém e Iguaçu, feita ao longo de 7,5 quilômetros, entre a BR-476 (antiga BR-116) e o Rio Iguaçu; a piscina para contenção de enchentes do Belém; a construção de seis passarelas sobre o Ribeirão dos Padilha e seus afluentes, e a recuperação do sistema de galerias subterrâneas da Rua Cristiano Strobel.

Essa rua também foi totalmente revitalizada, ganhando asfalto, paisagismo, iluminação e sinalização. A antiga Rua das Pereiras ganhou ainda rampas em vários locais para melhor acesso dos portadores de necessidades especiais.

O Terminal Boqueirão foi reformado no período, e a linha Circular Sul passou a atender a população, que pode se deslocar rapidamente aos bairros de mais três regionais. “O asfalto definitivo foi implantado ao longo de 18 quilômetros, uma distância como a do centro de Curitiba ao Aeroporto Afonso Pena”, disse Cassio.

A pavimentação antipó, levada a 425 trechos de rua, totalizou 91.286 metros, o equivalente à distância entre o centro da cidade e o acesso a Paranaguá. A troca de lâmpadas de mercúrio pelas de vapor de sódio não só melhorou a iluminação pública, como ainda gerou uma economia da ordem de 30% de energia.

Animais como cisnes, jacutingas, micos-leão-de-cara-dourada, sagüis-uma, catetos e outros acabaram se reproduzindo em cativeiro, graças às melhorias levadas ao Zoológico, no Parque Iguaçu, que também ganhou novo acesso.

Saúde e educação

No âmbito sanitário, o secretário municipal Michele Caputo disse que nos últimos sete anos a região ganhou cinco novas unidades de saúde, outras três foram ampliadas, enquanto algumas ações beneficiaram comunidades como as da Vila Pantanal, com direito a assistência odontológica desde 2001. Atualmente, 210 agentes de saúde atuam no Boqueirão.

Já na área educacional, quatro novas creches e duas novas escolas permitiram um melhor atendimento para as mães que trabalham e agora têm onde deixar os filhos, ou crianças em idade escolar.

O programa de descentralização de recursos de educação levou equipamentos e viabilizou obras em outras 16 escolas, enquanto dois Faróis do Saber, Aristides Vinholes e Albert Einstein, ganharam internet gratuita.

O programa Conviver foi responsável pela construção de três novas quadras esportivas e pela cobertura de outras três canchas escolares, garantindo aos alunos e à comunidade lazer e esporte nos horários extracurriculares.