Um casal de fotógrafos curitibanos vai iniciar uma viagem ao redor do mundo. Durante 277 dias, eles vão passar por vinte países para conhecer e registrar o máximo possível de cada lugar. A partir de 25 de agosto, serão aproximadamente nove meses de experiências totalmente novas e inesperadas. Cada um vai levar uma mochila com pouca roupa, material para fotografia e artigos de sobrevivência, como isqueiro, lanterna e canivete.

Tati Abrão e Guto Souza, ambos de 25 anos, criaram o Fotomochileiros, o site que mostra os trabalhos fotográficos da dupla e que pretendem atualizar durante a viagem, “a cada dois ou três dias”, segundo Tati. Para isso, decidiram largar os empregos, juntar as economias e partir em busca de um sonho em comum. Ela havia acabado de conseguir um novo trabalho, com bom salário e boa perspectiva. Avisou que o motivo da saída era nobre e deixou as portas abertas para uma eventual volta no futuro.

Guto já trabalhou com marketing, design e foi concursado de um banco. “Um homem com um bom cargo dentro do banco me disse que quando tinha a minha idade gostaria de ter feito o que estou fazendo. Não fez e hoje ganha dinheiro. Só dinheiro”. Para eles, o mais importante é buscar o que os fará realmente felizes. “Não é que não gostávamos dos nossos empregos, mas percebemos que não é o que queremos para o resto da vida. Fotografia e viagem são coisas que a gente quer”.

Estações

A viagem foi planejada levando em conta as estações do ano. A primeira parada será em Londres. É primavera na Europa, o clima está bom e não é alta temporada como no verão. O ideal é seguir sempre onde o clima estiver melhor, pois os dias ficam com mais luminosidade e utilizam menos roupas. A ideia é gastar o mínimo possível por dia e, para isso, fizeram um cálculo de gasto médio. O orçamento é para aproximadamente um ano, para que não ocorra surpresa. Nos países onde o dinheiro é mais valorizado, o custo vai compensar os gastos maiores.

Múltiplos desafios

A recente alta do dólar atrapalhou um pouco o planejamento. Para economizar, vão tentar fazer a própria comida e dormir em locais sem luxo. Albergues, casas de amigos e até de pessoas que ocasionalmente possam conhecer durante os dias. Guto tem uma irmã que mora na Suécia. O local vai servir de abrigo durante um período em que pretendem fazer viagens próximas e retornar para dormir. Um dos diferenciais das viagens tradicionais é que não há pressa para conhecer os locais. A intenção é não focar em pontos turísticos apenas, mas conhecer a cidade e suas pessoas de forma geral.

Sobre as dificuldades, eles acreditam que não terão problemas com a comunicação. Os dois falam inglês fluente e espanhol básico. Tati arrisca francês e estudou um pouco de mandarim, idioma oficial da China. “Apenas para saber em qual banheiro entrar”. Guto acredita que a linguagem gestual será a mais utilizada. Uma questão que foi bastante discutida foi o seguro de viagem. O custo é alto e depois de pensar bastante, resolveram fazer. Chegaram a conclusão que não vale a pena arriscar em caso de doenças.

Quando estiveram em São Paulo para resolver trâmites da viagem, descobriram um serviço do SUS pouco conhecido, o atendimento ao viajante. O roteiro é analisado e os viajantes recebem informações sobre medicamentos e vacinas – algumas são aplicadas gratuitamente. “Dicas bobas, mas que são válidas. Comer frutas que possam ser descascadas, evitar bebidas com gelo por causa da procedência e consumir preferencialmente água com gás, pois é mais difícil de ser falsificada e água sem, gás pode não ser natural”, comenta Tati.

Dois carros populares

O casal não faz planos para o futuro. Um dos objetivos da viagem é abrir novas possibilidades. Ideias como um livro ou uma exposição de fotos não são descartadas, mas também não são certas. Eles querem partir sem compromisso no retorno. Projetos podem surgir durante o percurso. “A única certeza é que vamos voltar diferentes de como estamos indo”, afirma Tati.

Sobre o valor investido, eles comentam que não consideram uma viagem cara, ao contrário do que pensa a maioria das pessoas. Cada um deles vai gastar o equivalente a um carro popular zero quilômetro. Somente as passagens custaram R$ 10 mil cada. Mas eles explicam que compraram a chamada passagem de volta ao mundo. Um bilhete para 16 destinos. Por conta dos locais que as alianças aéreas atendem, o continente africano vai ficar de fora do roteiro, assim como o Egito. Em contrapartida, alguns lugares da Ásia que não seriam visitados entraram na rota das alianças e, por consequência, no percurso do casal.

Confira no vídeo a conversa com o casal.