Cresce a integração do Brasil com o Paraguai na política conjunta de sanidade agropecuária. Com isso o Paraná e o Mato Grosso do Sul, Estados que têm fronteiras com o país vizinho, são os maiores beneficiários das ações que contam com o apoio da Itaipu Binacional e da FAO, organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) para Agricultura e Alimentação.

A política de integração entre os dois países começou no ano passado com a adoção do mesmo calendário para a execução da campanha de vacinação contra febre aftosa e agora deverá se estender para o campo da agroenergia e da agroindústria familiar.

Em reunião realizada na manhã desta sexta-feira (14) com os ministros da Agricultura do Brasil, Reinhold Stephanes, e do Paraguai, Alfredo Molinas, o programa de sanidade agropecuária nos dois países entra em nova fase, que é a preparação para a segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa que se realiza em novembro.

Também serão intensificadas as ações para o controle total na área de fronteira. Além da vacinação assistida, haverá um trabalho mais intenso de cadastramento das propriedades agrícolas, identificação dos animais e a troca de informações entre os dois países.

Para o secretário da Agricultura e do Abastecimento do Paraná, Valter Bianchini, a aproximação do Brasil com o Paraguai é extremamente benéfica ao Estado porque dá mais tranqüilidade na execução dos programas de sanidade adotados no Paraná. ?Essa política conjunta também atende a uma exigência da Organização Internacional de Sanidade Animal (OIE) que recomenda campanhas conjuntas de vacinação contra febre aftosa?, afirmou.

Outro benefício apontado pelo secretário é o apoio da FAO e da Itaipu Binacional, que como organismos internacionais têm credibilidade para agir em defesa da sanidade agropecuária nos dois países. Também são responsáveis por promover com mais facilidade os intercâmbios entre os países, disse o secretário.

Segundo Bianchini, o ministro da Agricultura do Paraguai manifestou interesse em intensificar intercâmbios com o Paraná, principalmente nos programas que atendem a Agricultura Familiar e de Agroenergia. ?O Paraguai quer estreitar relações com o Paraná para consolidar ações na área de biodiesel e da agroindústria familiar?, disse.