As autoridades de saúde do Paraná estão preocupadas com o fato de não haver vacina da gripe A (H1N1) suficiente para toda a população e afirmaram ontem que isso é imprescindível.

A vacina está sendo disponibilizada para determinados grupos e faixas etárias considerados mais vulneráveis à doença. As faixas entre 2 e 19 anos de idade, e entre 40 e 59 anos, por exemplo, não terão direito à vacina gratuita.

Uma coletiva de imprensa foi convocada pela Associação Médica do Paraná (AMP) juntamente com representantes da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, com o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Martin, e com dirigentes do Conselho Regional de Medicina (CRM) e outras associações ligadas à área médica (foto). A ideia era unificar o discurso sobre a doença em todos os setores, mas a discussão acerca da vacina foi mais relevante.

O presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), José Fernando Macedo, deixou claro a posição da AMP em relação à vacina. “Toda a população deve ser vacinada”, afirmou.

O presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM), Miguel Ibraim Hanna Sobrinho, compartilhou da opinião. “É preciso que haja um trabalho político no Paraná no sentido de que toda a população receba a vacina contra a gripe A. Entendemos que todos podem ter vulnerabilidade à gripe”, avaliou.

No entanto, não há previsão de quando a vacina poderá ser disponibilizada para toda a população. Martin afirmou que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) está se mobilizando para tentar conseguir a vacina para todos, porém, em princípio a Sesa deve cumprir o calendário estipulado pelo Ministério da Saúde.

“Quando o Ministério da Saúde comprou as vacinas, não havia para toda a população. Então trabalha-se com alguns critérios, com faixas etárias mais vulneráveis. O objetivo é reduzir a possibilidade de complicações e diminuir o número de óbitos”, afirmou Martin. Ele lembrou que no Paraná o objetivo é vacinar cinco milhões de pessoas, o que daria quase a metade da população.

Os profissionais de saúde deixaram claro que a vacina é segura e eficaz, desmentindo alguns boatos que têm surgido sobre o tema. Apenas bebês com menos de seis meses não podem receber a vacina.

Até a próxima sexta-feira, serão vacinados profissionais de saúde e indígenas. A partir de segunda inicia a vacinação para gestantes. De 5 a 23 de abril será a vez da faixa etária dos 20 aos 29 anos; de 24 de abril a 7 de maio serão vacinados os idosos; e de 10 a 21 de maio, as pessoas com idade entre 30 e 39 anos. Ontem foi divulgado o boletim mais recente da doença: em 2010 no Paraná já são 459 casos confirmados, sete óbitos e 1.702 notificados.

Fila

Para quem não está nas faixas etárias consideradas mais vulneráveis pelo Ministério da Saúde e que receberão a vacina gratuita, resta comprá-la. Porém, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não concedeu a autorização para que clínicas ou laboratórios particulares vendam a vacina contra a gripe suína. Nos Laboratórios Frischmann Aisengart, por exemplo, já há uma fila de espera de cerca de 18 mil pessoas, só em Curitiba (dez mil somente de empresas).