Auditores fisciais da Receita Federal do Brasil realizam nesta quarta-feira (30) uma operação padrão nas atividades alfandegárias e uma operação denominada Crédito Zero em outras funções, como a não liberação de declarações de Pessoa Física da malha fina e não finalização de fiscalizações. No Paraná, a operação padrão afeta o Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais; o posto de fiscalização em Foz do Iguaçu; e o Porto de Paranaguá.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) em Curitiba, Marcelo Soriano, a categoria reivindica 30% de reajuste salarial para recompor as perdas dos últimos quatro anos. Neste período não houve nem mesmo a reposição inflacionária. “O último reajuste que recebemos, também para recompor as perdas, aconteceu em 2008. Mas foi escalonado e terminou em 2010. As perdas são notórias e percebidas com facilidade”, afirma.

A mobilização nacional tem como objetivo pressionar o governo federal, que se mostrou até agora irredutível para efetivamente negociar com os auditores fiscais. “Está insustentável esta postura do governo em não negociar. Chama para reunião, mas não anda, não apresenta contraproposta. E envia um interlocutor que não tem poder de decisão”, explica Soriano.

A categoria pode fazer mais uma mobilização em junho e ainda entrar em greve por tempo indeterminado a partir do dia 18 do próximo mês.