Segundo a Organização Mundial de Saúde, uma em cada dez mil pessoas é hemofílica. A hemofilia é a mais conhecida das doenças de coagulação. Ela ocorre quando falta uma substância vital para que o sangue coagule, o fator 8, que evita hemorragias. A doença é hereditária e atinge principalmente os homens.

No Paraná, a Associação Paranaense de Hemofílicos estima que existam quatro mil pessoas com a doença. Segundo o diretor secretário da associação, Silas Pereira das Neves, ela pode ser identificada logo nos primeiros meses de vida, pelos sintomas hemorrágicos. “Um pequeno machucado pode desencadear dor intensa, hematomas, episódios hemorrágicos em órgãos vitais, músculos e articulações”, contou. Embora não tenha cura, a doença pode ser controlada com a reposição do fator 8, conseguida através de medicamentos ou transfusão de sangue.

Segundo Silas Pereira das Neves, a associação oferece assistência para hemofílicos de todo o estado, de forma gratuita. Todos os meses atende a uma média de 500 pacientes. A entidade também disponibiliza atendimento com assistente social, fisioterapeuta, dentista, psicólogo e nutricionista. Mas, para manter as atividades, garante Silas, a associação precisa de doações. Quem quiser colaborar, com dinheiro ou alimentos, pode ir diretamente à sede da associação, que fica na rua Augusto Basso, 28, no Pilarzinho. Já os depósitos podem ser feitos na agência 0003 do banco HSBC, conta 36972/80.