Em Cascavel, cidade do oeste paranaense, o arcebispo da diocese local, dom Mauro Aparecido dos Santos, decretou a proibição de padres a terem filiação partidária e participação de religiosos em equipes de governos federal, estadual e municipal. A medida entra em vigor a partir de 1º de abril. O documento é uma determinação para todos os presbíteros e diáconos que atuam na diocese de Cascavel, que reúne 17 municípios com 30 paróquias. Dom Mauro, que assumiu a diocese local há um mês, disse que a medida não é nenhuma novidade, "uma vez que ela já vem sendo implementada pela Igreja Católica".

A determinação estabelece, além da proibição de filiação partidária e participação na administração pública, outros itens que devem ser seguidos. Um deles estabelece que o religioso que se filiar em qualquer partido político, ou ingressar em equipe de trabalho governamental, fica suspenso de suas funções sacerdotais, sem direito pagamento de benefícios, moradia, carro telefone, plano de saúde e contribuição previdenciária. O padre que for suspenso por este decreto e desejar retornar à sua atividade deverá participar de um retiro de trinta dias seguidos e fazer um curso sobre história da Igreja.