Foto: Allan Costa Pinto/O Estado
O maior volume de apreensões foi de produtos de informática, seguido pelos eletrônicos e cigarros.

A apreensão de mercadorias ilegais pela Receita Federal no Paraná aumentou 20% em 2006, na comparação com 2005. O maior volume de apreensões foi de produtos de informática, seguidos pelos eletrônicos e cigarros.

Segundo a Receita Federal, os locais onde os fiscais tiveram mais trabalho foram as fronteiras secas, principalmente na região de Foz do Iguaçu, oeste do Estado, considerada importante porta de entrada de contrabando.

No total, foram contabilizados em 2006 cerca de US$ 104,979 milhões em produtos contrabandeados – ante US$ 87,625 milhões no ano anterior.

Para o superintendente da Receita Federal no Paraná e Santa Catarina, Luiz Bernardi, o crescimento de 20% pode ser explicado pelo aumento da repressão, principalmente nas fronteiras, onde geralmente é apreendido o maior volume de produtos. O balanço das apreensões de 2006 também confirmou a prevalência dos produtos de informática e eletrônicos no contrabando e descaminho – quadro que vem se mantendo há alguns anos.

Na opinião de Bernardi, o que sustenta o mercado ilegal desse tipo de produto é o consumo. ?Enquanto não houver uma mudança de mentalidade com relação a isso, o consumo vai continuar e o crime vai existir?, comentou.

Além da região de Foz do Iguaçu, Maringá e Guaíra também são locais onde são apreendidos muitos produtos contrabandeados no Paraná. De acordo com Bernardi, 70% do contrabando no Estado acaba passando por estes pontos.

?Os locais mais críticos são as fronteiras. As vias aéreas e marítimas são mais fáceis de monitorar?, afirmou o superintendente. Por conta disso, o Paraná é a grande rota usada pelos contrabandistas. ?Porém, o grande foco do que passa por aqui são os estados de São Paulo e Rio de Janeiro?, observou. Os produtos ilegais são trazidos do Paraguai das mais diversas formas: desde carros pequenos até caminhões e ônibus grandes.

Produtos

No ranking dos produtos contrabandeados apreendidos, em primeiro lugar ficam os equipamentos de informática, que somaram US$ 14,972 milhões – um crescimento de 3,9% sobre o montante recolhido em 2005. Eletrônicos, totalizando US$ 14,932 milhões, aparecem em segundo na lista, com incremento de 6,6% em relação ao ano anterior.

O terceiro item são os cigarros, que somaram US$ 13,767 milhões – uma ligeira redução de 0,2%. Na seqüência, aparecem os brinquedos, cujas apreensões contabilizam US$ 3,274 milhões, 6,7% menos que em 2005.

Bebidas, veículos e drogas também normalmente são encontrados pelos fiscais. Em 2006, a Receita Federal apreendeu no Paraná US$ 463 mil em bebidas ilegais. Foram 3.604 veículos. Também no ano passado, foram apreendidos cerca de 8 mil quilos de maconha e 21 quilos de cocaína.

Em todos os delitos, a Receita prendeu em flagrante 660 pessoas. Grande parte das operações são realizadas em conjunto com as polícias Federal, Civil, Militar e Rodoviária, em portos, estradas, pontos de venda e no comércio virtual.