A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está em Curitiba para discutir com juízes, procuradores e promotores a regulação de propaganda de medicamentos. O encontro começou ontem e termina hoje. Segundo a gerente de Monitoramento e Fiscalização de Propaganda da Anvisa, Maria José Fagundes, este diálogo com os representantes do Direito é um grande passo para a eficaz regulação desse tipo de marketing. Um encontro sobre o mesmo tema já foi feito com médicos e farmacêuticos. O próximo passo é dialogar com o setor da comunicação, pois, segundo ela, ainda faltam ?informações mais completas ao consumidor?.

De acordo com o diretor da Anvisa, Norberto Rech, como se tratam de produtos para saúde, as propagandas dos medicamentos requerem muita atenção. ?É preciso que as informações veiculadas nestas propagandas sejam corretamente relacionadas. Não devem induzir ao consumo, mas esclarecer?, afirma. Segundo ele, os medicamentos são a primeira causa de intoxicação no país, responsáveis por 28% das notificações. Como mostram as pesquisas divulgadas pela gerência de Monitoramento e Fiscalização de Propaganda da Anvisa, ?a população brasileira é uma das que apresenta maior tendência para comprar medicamentos sem consulta ao médico, entre todos os países da América Latina (OMS)?. Ainda que ?o consumo de medicamentos aumentou 10,3% no Brasil em 2004 e atingiu 1,65 bilhão de unidades, com uma receita aproximada de R$ 20 bilhões (Febrafarma)?. Diante dessa realidade, apesar da regulação e fiscalização de propaganda de medicamentos, o setor ainda precisa melhorar.