Foto: Daniel Derevecki

Os estudantes pararam vários ônibus durante a manifestação no bairro Capão do Imbuia, em Curitiba.

Estudantes de Curitiba realizaram, no final da manhã de ontem, um novo protesto a favor do passe livre. Dessa vez, a manifestação aconteceu na canaleta de ônibus da Avenida Presidente Affonso Camargo, nas proximidades da Rua Nossa Senhora de Fátima, no bairro Capão da Imbuia.

Por pouco mais de meia hora, os estudantes bloquearam a canaleta, liberando os ônibus aos poucos. É a terceira manifestação em menos de duas semanas, pela gratuidade no transporte coletivo.

O protesto começou por volta das 11h55 e terminou às 12h30. Segundo a União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes), cerca de 50 estudantes participaram da manifestação, a maior parte alunos do colégio Maria Aguiar Teixeira, que fica nas proximidades. Dessa vez, porém, o protesto não incluiu invasão às estações-tubo, como registrado nas duas últimas manifestações.

Os estudantes liberavam os ônibus a cada cinco minutos. Enquanto os veículos estavam parados, eles aproveitavam para explicar aos motoristas e passageiros o motivo do movimento. ?Queremos passe livre para todos os estudantes. Acreditamos que a Prefeitura de Curitiba, através da Urbs, possa atender a essa reivindicação sem aumentar o preço da tarifa para os demais usuários do transporte coletivo?, justificou o presidente da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de Curitiba (Uemsc), Arthur Miranda.

O presidente da Upes, Rafael Clabonde, complementou que os estudantes pretendiam mostrar à sociedade que suas manifestações não significam vandalismo. Segundo ele, pular as catracas não é uma determinação das entidades que coordenam o movimento estudantil, mas sim uma atitude que parte de cada estudante como forma de protesto. ?A gente luta com nossas armas para defendermos nossas reivindicações. Em nenhum momento colocamos que invadimos as estações. Nós apenas ocupamos um espaço público que é nosso?, considera.

Contrariando os cálculos da Prefeitura, que se ofertado o passe livre aos estudantes a tarifa passaria a R$ 3,70, Clabonde também acredita que o município tem condições de fornecer a gratuidade seu aumentar a passagem. ?Proporcionalmente, Curitiba tem a passagem mais cara do País e pode dar subsídio financeiro ao passe livre, enxugando também o lucro das empresas.?

Invasões

Os alunos do Colégio Estadual Professor José Guimarães pediram ontem desculpas pelo ato de pular as catracas e invadir a estação-tubo Eufrásio Correia, na última terça-feira. Os alunos que participaram da invasão se dizem arrependidos e afirmam que ?os atos cometidos não refletem o comportamento esperado de alunos de um colégio que, em sua doutrina, sempre procurou nos ensinar a respeitar o patrimônio público?.