As manifestações dos estudantes da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) contra o aumento de 8,75% nas mensalidades, a partir de janeiro de 2009, ganharam novas proporções.

Os alunos fecharam ontem a Rua Imaculada Conceição, em frente à principal entrada do campus em Curitiba, no bairro Prado Velho. Além disso, alguns estudantes montaram barracas e estão acampados perto do prédio da reitoria da instituição.

O bloqueio do trânsito na rua que dá acesso à universidade aconteceu das 10h30 até perto das 13h30, quando a polícia pediu a retirada dos estudantes da via. Cerca de cem estudantes usavam nariz de palhaço e carregavam faixas de protesto contra o aumento.

Pela manhã, apenas ônibus podiam passar pelo bloqueio. A confusão só não foi maior porque algumas ruas da região estão em obras e, por isso, automóveis e caminhões utilizavam vias alternativas.

Os alunos chegaram a prometer bloqueio total na Rua Imaculada Conceição no horário de maior movimento no local, perto das 19h, mas até o início da noite de ontem o trânsito estava normal, com os estudantes na calçada entregando panfletos aos motoristas que paravam no sinal.

Segundo a aluna Mariana Moura, do Centro Acadêmico de Psicologia, os manifestantes decidiram fechar a rua para chamar a atenção da sociedade para o problema.

“O aumento anunciado foi maior do que no ano passado. A infra-estrutura e a qualidade de ensino não seguem os reajustes”, afirma. Paralelamente, alguns estudantes estão acampados há quase três dias dentro do campi. “A PUC decidiu não negociar mais enquanto a gente não se retirar”, revela Mariana.

A aluna Bianca Zanini, que faz parte do Centro Acadêmico de Comunicação Social, conta que a mobilização é pacífica. “Não queremos invadir o prédio da reitoria. Apenas queremos que eles nos notem”, considera.

Além de pedirem uma negociação sobre o reajuste nas mensalidades, os alunos querem maior segurança. De acordo com Mariana, dois roubos aconteceram na madrugada de ontem.

Foi levado um monitor de dentro do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e um computador de uma livraria que fica ao lado. Os dois espaços estão localizados dentro do campus.

Resposta

A PUCPR reafirmou que mantém o reajuste na matrícula e, em relação à segurança, informou que neste ano investiu na modernização e no reforço do sistema de segurança. Foram colocadas mais de 300 câmeras de monitoramento, além de um incremento no número de agentes motorizados.