Das 9h às 13h, acontece hoje, na Boca Maldita, a Vigília da Aids, evento que ocorre há 20 anos em Curitiba e marca a luta contra a doença. Assim como em todo o Brasil, na cidade a aids voltou a preocupar por causa do diagnóstico tardio, o que compromete a qualidade de vida do portador de HIV. Em 2012, foram diagnosticados na cidade 211 novos casos da doença -boa parte já em estágio avançado.

Para tentar reverter este quadro, a Secretaria Municipal da Saúde trabalha para conscientizar a população sobre a importância de fazer o teste de HIV/aids sempre que houver exposição a situação de risco, como relações sexuais sem o uso de preservativos e o compartilhamento de seringas e outros objetos perfurocortantes.

Desde o início da campanha para prevenção da aids, na década de 80, Curitiba registrou 13.062 casos de aids/HIV, dos quais 2.398 morreram. Entre as capitais, a do Paraná está em 14.º lugar na taxa de incidência, com 27 casos para cada 100 mil habitantes. A maior parte dos portadores de HIV é homem, entre 15 e 24 anos, que têm relações homossexuais.

Exames

Testes para diagnóstico do HIV estão disponíveis em todas as 109 unidades básicas de saúde de Curitiba, além do Centro de Orientação e Aconselhamento (COA), que faz os testes rápidos. Casos com resultado positivo são encaminhados para atendimento especializado e o portador recebe os remédios gratuitos.