Os trabalhadores do Itaú realizaram uma paralisação nesta quarta-feira (05), em todo o Brasil, em protesto às condições de trabalho impostas pelo banco. A principal reinvindicação acontece contra o Projeto Corredor, implantado pelos banqueiros e que consiste na abertura das agências em horários complementares às demeais, o que estaria gerando sobrecarga de trabalho aos funcionários.

De acordo com Júnior César Dias, liderança sindical em Curitiba, esse projeto vai contra o que havia sido acordado entre as categorias patronal e sindical. Inicialmente, apenas duas agências trabalhavam em horários alternativos, uma atendendo das 9h às 16h e outra do meio-dia às 19h, mas o sistema de abertura diferenciado foi implementado em novas agências.

No olho da rua

Outro motivo de descontentamento por parte dos bancários está nas demissões contínuas que têm ocorrido na empresa. Apesar de o Itaú negar esse procedimento, segundo o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, as demissões em todo o Brasil, desde abril de 2011 até novembro de 2012, já somam 13.595.

Em uma das faixas, fixada na agência da Avenida Marechal Floriano, no centro de Curitiba, estava escrito: “O Itaú está quebrando? Então por que tantas demissões?”.

A reportagem do Paraná Online entrou com contato com a assessoria de imprensa do Itaú-Unibanco, que ficou de enviar uma nota de esclarecimento, mas não obteve uma declaração oficial sobre o assunto.