Brasília – Levantamento divulgado pela Secretaria da Saúde do Paraná aponta que 71% da população do estado está imunizada contra a febre amarela. Dos 10,2 milhões de habitantes, 7,2 milhões já tomaram a vacina.

Segundo a chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica, Inês Vian, não há motivos para que a população faça filas nos postos de saúde. ?Aproximadamente 2 mil unidades básicas de saúde, distribuídas em todos os 399 municípios, disponibilizam as vacinas?, afirmou.

De acordo com Inês Vian, durante as férias, a secretaria faz campanhas de conscientização voltadas para quem vai viajar a outros estados. O alerta é para que o viajante esteja com as vacinas em dia, principalmente aqueles que irão para áreas endêmicas (regiões Centro-Oeste e Norte, Maranhão e Minas Gerais) e regiões de transição (oeste do Paraná, Santa Catarina, Piauí e São Paulo), assim como para países latinos.

?É importante que o comprovante de vacina passe a ser um documento, que deve ser levado na bagagem, pois pode ser útil em caso de suspeita da doença?, explicou.

A chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica lembra que a vacina pode ser aplicada a partir dos nove meses de idade e que a validade da imunização é de 10 anos. O Paraná não registra casos da doença desde 1942.

O caso da morte de um empresário em Maringá, com suspeita de febre amarela, está sendo investigado pela Secretaria de Saúde. O resultado dos exames deve ser divulgado dentro de duas semanas. A suspeita com relação à doença surgiu porque o homem esteve em uma das áreas de risco – Caldas Novas (GO) – no fim do ano passado.

De acordo com a diretora de Saúde de Maringá, Rosimeire Ruiz, um segundo caso está sendo tratado como suspeito. Uma mulher está internada num hospital da cidade, com sintomas que podem ser de hantavirose, febre amarela, dengue ou leptospirose.

?A malária já foi descartada, as outras patologias estão sendo investigadas?, garantiu a diretora.