Adão e Eva vão se casar hoje em Curitiba.

Hoje é um dia especial para 166 casais de Curitiba. Eles vão oficializar a união em um casamento coletivo no Bairro Novo. A maioria deles já tem uma vida em comum, mas os custos com o cartório sempre adiavam o desejo de casar. Agora, graças a uma iniciativa da Fundação de Ação Social, o sonho será realizado.

A maioria dos casos é parecido com o de Eva Serafim da Silva, 39 anos, e Adão Oliveira da Silva, 51 anos. Eles estão juntos há quinze anos e têm duas filhas. Se conheceram em uma festa de natal e em março do ano seguinte já dividiam o mesmo teto. Eva diz que nunca pensou em se casar de verdade, mas depois que ficou sabendo da facilidade resolveu falar com o marido. “Acho que vai dar mais segurança para as meninas”, analisa.

Agora ela espera com grande expectativa a hora da cerimônia. Os dois já separaram o melhor traje. “A gente é pobre, mas vamos caprichar”, afirma. Ontem, ela e o marido passaram o dia em casa arrumando as coisas para o jantar que vai ser oferecido à família e amigos. Ela é cozinheira e está preparando um cardápio todo especial. Vai ter abóbora e chuchu assados no forno; quibe vegetariano, feito com proteína de soja, aveia e beterraba, figos assados na chapa, além de um quentão para combater o frio.

Já Maria Maia da Silva, 50 anos, vive uma história bem diferente. Ela teve vários namorados, mas nunca gostou de nenhum. “Eu pensava muito. Era muito exigente. Mas agora aprendi que ninguém é perfeito”, explica. Carlos Peca, 68 anos, foi quem ganhou o coração dela. Eles se conheceram na igreja que ela freqüenta e, aos poucos, descobriram várias coisas em comum. Maria já namora há três anos, mas nunca quis morar junto por questões religiosas. “Na igreja se aprende que só podemos nos unir depois do casamento”, fala. Para a cerimônia, ela já alugou um vestido de noiva. Para completar a família, pensa até em adotar um filho.

O casamento vai ser realizado no Ginásio de Esportes do Bairro Novo A. Nos últimos quatro anos, a FAS já organizou três casamentos coletivos, formalizando a união de 375 casais. A iniciativa tem dado certo graças a colaboração dos cartórios distritais. Segundo a coordenadora regional da FAS no Bairro Novo, Valdeni Pavelski, os noivos são todos de baixa renda e estão economizando cerca de R$ 200,00.