O governo do Paraná quer agilidade na liberação dos resultados dos exames sorológicos para que o Estado recupere mais rapidamente sua condição de área livre de febre aftosa. Nesta terça-feira (12), o secretário da Agricultura, Newton Pohl Ribas, participa de reunião com o secretário Nacional de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Gabriel Alves Maciel, para discutir a liberação dos resultados dos exames sorológicos feitos em animais de propriedades paranaenses localizadas no raio de 10 quilômetros das fazendas consideradas focos de febre aftosa.

Ribas vai a Brasília acompanhado de André Carioba, proprietário da Fazenda Cachoeira, considerada foco de aftosa pelo governo federal. ?Vamos pedir uma resposta sobre os resultados dos exames feitos há quase 90 dias. Num país como o Brasil, com 200 milhões de cabeças de bovinos, precisamos de mais agilidade para resolver essa situação?, afirma Carioba.

André Carioba cobra também o resultados dos exames das carcaças dos animais abatidos em propriedades rurais do Paraná. ?Esses exames foram feitos em março. Ainda não tivemos uma informação oficial do Ministério da Agricultura, mas notícias não-oficiais mostram que metade dos exames deu negativo?, afirma Carioba. ?Esses exames vão confirmar se houve ou não circulação de vírus na área. Se der negativo, fica provado que não houve circulação do vírus?, completa.

O secretário Newton Pohl Ribas lembrou que os rebanhos de sete fazendas estão interditados. ?Os proprietários querem a liberação das propriedades o mais rápido possível porque, na situação atual, eles ainda não podem comercializar seus animais, nem retirá-los das propriedades?. ?Temos que agir em defesa dos interesses dos produtores do Paraná?, disse o secretário.

Ribas convidou os deputados federais Osmar Serraglio, Odílio Balbinoti e Moacir Micheletto para reforçar o pedido de agilidade, diante da urgência de um esclarecimento da questão sanitária no Paraná. Essa não é a primeira vez que o governo paranaense exige do Ministério da Agricultura mais rapidez na liberação dos resultados de exames da aftosa. Em novembro do ano passado, o vice-governador Orlando Pessuti criticou publicamente o ministro Roberto Rodrigues (Agricultura) pela demora na divulgação dos resultados dos primeiros exames.