Produtos orgânicos do Paraná e de outros cinco estados brasileiros serão apresentados a partir do dia 18 (domingo) em duas das maiores feiras de produtos orgânicos do mundo: a Biofach Tóquio (Japão) e a Bio Fach Washington (EUA). Estarão presentes nestas feiras 20 empresários brasileiros que integram o programa Orgânico Brasil, coordenado pela Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

A BioFach é uma feira internacional que surgiu em Nuremberg, na Alemanha, e tem como objetivo promover a presença de alimentos orgânicos no mercado europeu. Atualmente o evento é realizado em vários países do mundo, com destaque para as edições América, em Washington e Tóquio, no Japão.

?É a estréia do programa Orgânico Brasil, lançado em junho na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). É o primeiro resultado de um programa que busca ampliar e estimular a cadeia produtiva do setor orgânico brasileiro?, informa o presidente da Fiep, Rodrigo da Rocha Loures.

O secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, lembra que o Paraná é o maior produtor de orgânicos do país. ?Temos uma agricultura familiar predominante no Estado. São esses produtores os responsáveis pela produção de alimentos sem agrotóxicos. Um nicho de mercado cada vez mais disputado em todo mundo?.

Para as duas feiras, os empresários irão levar, por exemplo, barras de cereais, filé de tilápia, mel e seus derivados, café e feijão. Todos contarão com o Selo Organic Brazil, que identifica produtos orgânicos que já foram certificados quanto a sua origem e produção.A primeira feira acontece em Tóquio, Japão, no dia 18 de setembro. Depois será a vez do encontro em Washington, nos EUA, dia 21.

O coordenador do programa Orgânico Brasil, Ming Liu, explica que projeto visa ampliar a produção de alimentos orgânicos, que atualmente cresce no Brasil na média de 30% ao ano e remunera até 25% mais os produtores orgânicos, em relação aos convencionais. A intenção é crescer mais de US$ 6 milhões este ano.

A qualidade dos produtos é uma estratégia para conquistar os participantes das feiras. Em função disto, os produtos que serão levados pela Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e por São Paulo nas duas feiras internacionais chegam com a certificação correta e poderão ser consumidos e comercializados, durante a realização dos dois eventos. No Japão, é requerido o JAS e, nos EUA, o USDA.

Com recursos de US$ 1,8 milhão, o programa de produtos orgânicos está adequando micro, pequenos e médios empresários na produção de diversos produtos, como cana, cachaça, açúcar mascavo, soja, frutas, hortaliças, mandioca, milho, arroz, café, erva mate, feijão, granolas, geléias, sucos e óleos. O programa Brasil Orgânicos pretende atingir ainda este ano um universo de quase 100 empresas, visando a geração de 180 novos postos diretos de trabalho e 1.200 indiretos.

Hoje, mais de 120 países produzem alimentos orgânicos, com destaque para Austrália, Estados Unidos, Alemanha e Argentina, gerando renda bruta superior a US$ 25 bilhões. No Brasil, existem 300 mil hectares plantados, sendo produzidos mais de 30 tipos de produtos. O Paraná é o principal estado produtor. A maior parte dos produtos nacionais ? cerca de 85% – se destina ao abastecimento do mercado externo. O país exporta hoje cerca de US$ 5,22 milhões.