O Paraná gerou em fevereiro 14.601 novos empregos formais. Segundo dados confirmados nesta quarta-feira pelo Dieese, o resultado foi 112% maior que o verificado em janeiro, quando foram registrados 6.864 novos postos de trabalho com carteira assinada. Também superou em 59% os números de igual mês do ano passado, quando o Estado criou 9.147 empregos formais.

O levantamento de fevereiro deste ano revela ainda que o desempenho do Estado representou uma taxa de crescimento de 0,82% sobre o total de trabalhadores paranaenses com carteira assinada, estimado em cerca de 1,790 milhão. No Brasil, onde o número de novos empregos no mês foi de 176.632, a taxa de crescimento foi inferior à do Paraná: 0,68%.

Os números de fevereiro no Paraná também foram maiores que a soma do resultado dos 7 Estados da região Norte. Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá e Tocantins juntos só geraram 5.578 empregos formais no mês. Já na comparação com a soma dos resultados dos 9 Estados do Nordeste juntos, o resultado do Paraná é melhor ainda. Isso porque o Nordeste teve um desempenho negativo (-27.013).

Bimestre

No acumulado do ano (dois primeiros meses), já são 21.465 novos empregos formais no Paraná. Com isso, desde janeiro de 2003, início do governo Roberto Requião, foram cadastrados 278.857 novos empregos, sem contar os informais e os gerados pela agricultura familiar. Os números ano a ano foram os seguintes: 2003 (62.370 empregos), 2004 (122.648) e 2005 (72.374).

De acordo com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), do total dos novos empregos gerados no Estado nos dois primeiros meses de 2006, 12.961 empregos (ou 60,5%) foram verificados no interior. Outros 8.484 empregos (39,5%) foram gerados na Região Metropolitana de Curitiba.

Esse cenário – aponta o Ipardes ? indica a criação de 10.733 novos postos de trabalho ao mês, o que representa 537 novos empregos a cada dia útil, isto é, sem considerar os finais de semana. Os dados do bimestre no Paraná apontam também que o Paraná contribuiu com 8,15% do total de empregos gerados no País, uma participação acima da média histórica. O crescimento dos dois primeiros meses do ano é atribuído principalmente à recuperação de postos de trabalho na área de serviços (8.321) na indústria (6.674) e na construção civil (2.789). Para o governo do Paraná, ações com isenção do ICMS ao micorempresário, redução do imposto para o pequeno empresário, isenção de imposto dos produtos da cesta básica e redução de impostos de insumos da construção civil têm colaborado.