O Paraná poderá se tornar a principal porta de entrada para o ingresso de investimentos canadenses no setor elétrico brasileiro. Uma parceria entre a Copel e a estatal Hydro Québec começou a ser esboçada nesta segunda-feira, em Curitiba, durante a visita de Gilles Baril, vice-presidente da área de negócios internacionais da empresa canadense, à direção da estatal paranaense.

O vice-presidente da Hydro Québec também visitou o Lactec, laboratório associado à Copel, com pesquisas na geração e distribuição de energia elétrica. “O objetivo principal desta visita é adiantar informações para a missão canadense que vem em agosto discutir convênios que podem abranger a geração e a distribuição de energia”, afirmou Baril, lembrando o encontro da missão paranaense que abriu perspectiva de parceria, inclusive para a construção de nova usina no Rio Iguaçu. O encontro entre executivos das duas empresas de energia havia sido agendado recentemente entre o governador Roberto Requião e o presidente corporativo da Hydro Québec, André Caillé, durante a visita da missão oficial do Governo do Paraná ao Canadá.

Baril ressaltou ainda que a província e o Estado têm perfis semelhantes na geração de energia, o que abre “excelentes perspectivas para projetos em comum”. “Além do aspecto técnico dos projetos e do bom conceito que a empresa tem no mundo, percebemos que a Copel é muito bem administrada, o que garante segurança para estabelecer convênios”, considera o vice-presidente.

Interesse

Recebido pelo presidente da Copel Paulo Pimentel, diretores e técnicos das áreas de transmissão, geração e distribuição de energia elétrica, Gilles Baril revelou que o Brasil é um mercado de extremo interesse para a Hydro Québec. E que o Paraná, por suas condições de infra-estrutura e de competitividade, pode ser o parceiro preferencial. “A estratégia de novos negócios da Hydro Québec considera o Brasil como um mercado altamente interessante”, disse Baril. “Qualquer empresa de fora que queira entrar nesse mercado não pode deixar de olhar o Paraná”, completou.

Já o presidente da Copel, Paulo Pimentel, garantiu ao visitante que uma eventual parceria das duas empresas será produtiva para ambos. “Estou certo de que o conhecimento desenvolvido pela Copel e sua avançada tecnologia em diversas áreas irão provocar um grande interesse do lado canadense”, ponderou.