O secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, destacou neste sábado (27), em que é comemorado o Dia Nacional da Mata Atlântica, o sucesso dos programas ambientais desenvolvidos pelo Governo do Estado na preservação, conservação e recuperação da Floresta Atlântica, por meio do Programa de Proteção da Floresta Atlântica – Pró-Atlântica.

Resultado de uma parceria entre a República Federal da Alemanha, através do seu agente financiador, o KfW Bankengruppe, e o Governo do Estado do Paraná, o Programa já investiu cerca de R$ 40 milhões (13 milhões de Euros) em obras, equipamentos, veículos, barcos e cursos de capacitação para o Batalhão de Polícia Florestal e fiscais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

Ações ? ?Através do Programa Pró-Atlântica já foram entregues seis postos para a Polícia Florestal em Morretes, Tijucas do Sul, Guaratuba e Guaraqueçaba, Antonina e Tunas do Paraná, visando aumentar a fiscalização nas áreas de mata atlântica?, disse Rasca. ?Ainda para o final do semestre está prevista a conclusão da obra do Centro Integrado de Proteção da Floresta Atlântica, em Paranaguá, com uma área de 1,4 mil metros quadrados?, completou.

A Secretaria de Meio Ambiente também realizou o monitoramento e mapeamento das informações sobre a floresta atlântica, que resultou na digitalização das informações ambientais e na criação do Atlas da Vegetação, que teve 30 mil exemplares distribuídos nas escolas da rede pública dos municípios atendidos pelo programa.

Também foram realizados cursos de treinamento em fiscalização ambiental, ministrados por técnicos do IAP, e com a participação de mais de mil técnicos do próprio IAP e do Batalhão de Polícia Florestal. Além da capacitação para fiscalização, também foram ofertados cursos para manejo das Unidades de Conservação e guarda dos Parques Estaduais, auxiliando na gestão das Unidades da área de abrangência.

Para intensificar o trabalho de fiscalização, a Sema instalou um completo sistema de radiocomunicação e entregou 58 veículos, 10 motos e 9 barcos para o IAP e o Batalhão da Força Verde. Com o aumento da fiscalização, as infrações ambientais na floresta atlântica estão sendo reduzidas.

Nos anos de 2005 e 2004, o escritório regional do IAP no Litoral (região de ocorrência do bioma mata atlântica) emitiu 212 autos de infração. Cerca de 60% destes autos foram relacionados a crimes contra a flora e a fauna característica do bioma. Com a construção dos novos postos e compra de equipamentos, somente em 2005 foram emitidos 60 autos de infração por danos à flora e mais 32 por danos à fauna.