A empresa italiana Calamari, fabricante de fornos elétricos para fundição de metais, anunciou nesta quarta-feira que vai investir numa fábrica no Paraná. A informação foi transmitida ao secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Luis Mussi, pelo presidente da empresa Guido Calamari. O investimento inicial será de US$ 2 milhões.

Detentora de alta tecnologia, a empresa tem entre seus clientes a Ferrari. Segundo o empresário, o empreendimento no Paraná será o primeiro da empresa fora da Itália. "O Paraná foi escolhido pela qualidade de vida, pela mão-de-obra qualificada e pela infra-estrutura. A localização do Estado foi outro ponto primordial", afirmou Calamari.

O município ainda não foi definido, mas o interesse inicial está na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A Calamari busca um terreno com até 20 mil metros quadrados, dos quais 4 mil serão destinados à área inicial a ser construída. A empresa, de alta tecnologia, vai gerar 150 empregos diretos.

Mercado

A produção será destinada principalmente ao mercado interno e ao Mercosul. A empresa espera iniciar as obras em um prazo máximo de 60 dias e inaugurar a fábrica até setembro de 2005.

Dentro de dois a três anos, alguns componentes serão importados para a fabricação dos fornos no Brasil. A vinda de uma nova empresa neste período vai possibilitar uma produção 100% nacional.

A produção consiste em uma "indústria limpa", acrescenta Calamari. "Possuímos também o diferencial de a nossa produção não possuir um formato padrão de fornos, atendendo com versatilidade vários setores e segmentos".

Incentivo

O empresário Guido Calamari disse ainda que o governo do Estado, através da Secretaria de Indústria, do Comércio e Assunto do Mercosul, está oferecendo todo o apoio logístico para a vinda da empresa ao Paraná. "Estamos, agora, seguindo para a efetiva implantação", afirma.
A atração da empresa ao Estado é também o reflexo da política de incentivos fiscais do governo estadual. "A empresa certamente será enquadrada no programa Bom Emprego, de dilação no pagamento do ICMS", afirma o secretário Luis Mussi.

Restabelecido pelo governador Roberto Requião e voltado à geração de empregos e ao crescimento econômico principalmente de regiões mais pobres, o Bom Emprego já atraiu 63 empresas ao Paraná. Juntas, estão investindo cerca de R$ 2,4 bilhões no Estado.