O ex-técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, criticou nesta terça-feira (19) a escolha do zagueiro italiano Fabio Cannavaro como o melhor jogador do mundo em 2006 na eleição da Fifa. O treinador, durante o lançamento de uma escola de futebol que será dirigida por ele, enalteceu o título mundial do Internacional e falou sobre seu futuro na seleção da África do Sul até a Copa do Mundo de 2010: ?Cabe avaliar até onde eles estão aptos a aceitar as derrotas no meio do caminho?, afirmou o técnico, sobre o cargo que assumirá em fevereiro.

Parreira atribuiu parte da escolha do zagueiro italiano ao título mundial da Itália e à má atuação de atletas, como Ronaldinho Gaúcho, na competição. Mas destacou que se estivesse em disputa a qualidade técnica nem haveria possibilidade de comparação com os jogadores brasileiros.

?Cannavaro significa um momento do futebol. Foi o destaque de uma Copa do Mundo onde as equipes se sobressaíram pela qualidade coletiva?, disse Parreira. ?Ele não é o melhor do mundo e não pode ser comparado a jogadores como Ronaldinho Gaúcho ou Kaká.

A conquista do título mundial pelo Internacional contra o Barcelona, no domingo, foi considerada por Parreira um exemplo de força do futebol brasileiro. Frisou que a autoridade, qualidade e determinação apresentadas pelo time gaúcho foram determinantes para o triunfo. ?O Barcelona não perdeu. O Internacional que ganhou. Foi uma demonstração da força e potência do futebol brasileiro. Ganhou com autoridade?, afirmou.

Derrotas à vista

Sobre o futuro na seleção da África do Sul, país-sede da Copa do Mundo de 2010, Parreira começou um trabalho de prevenção junto a dirigentes e torcedores quanto a possíveis derrotas na trajetória rumo a disputa. O treinador acredita que nos três anos e meio de preparação será capaz de montar um ?grupo forte?. ?Teremos alguns percalços. A Copa Africana, amistosos de peso e, com certeza, não vamos ganhar todos?, observou Parreira.

Como não tem mais pretensões de voltar à seleção brasileira e os desafios no futebol capazes de seduzi-lo diminuem a cada ano, Parreira lançou o projeto de um centro de excelência na formação e aperfeiçoamento em futebol para ensinar a jovens brasileiros e estrangeiros, entre 8 e 20 anos, os segredos do Brasil no esporte.

Além de ministrar cursos a seus alunos e técnicos do mundo todo, a Brazilian Football Academy (BFA) quer servir de referência para clubes nacionais e internacionais realizarem suas pré-temporadas. E, para oferecer a infra-estrutura necessária, um centro de treinamento será erguido em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A primeira etapa, com término da obra programado para julho de 2008, prevê a construção de dez campos de futebol, mas a meta é chegar a 40. Em janeiro, um projeto piloto será executado em um campo no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio.