O coordenador da equipe técnica da transição de governo, Antônio Palocci, negou que os técnicos do próximo governo vão propor mudanças na meta de superávit primário firmada com o Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2003. Palocci disse que a missão do FMI, que chega ao Brasil na próxima semana, “fará tratativas sobre o acordo com o atual governo”.

De acordo com ele, “não é cabível fazer proposições” neste momento, enquanto o novo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva não assumir a presidência. Apesar da negativa, Palocci não foi categórico em negar a possibilidade de uma negociação com o Fundo de condicionar o superávit primário ao desempenho do PIB.