Apesar das denúncias contra Antonio Palocci à época em que era prefeito de Ribeirão Preto, o depoimento do ministro da Fazenda não está sendo considerado pelos membros da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga a ligação das casas de bingos do país com a lavagem de dinheiro e o crime organizado.

O relator da CPMI dos Bingos, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), avalia que ainda é cedo para convocar Palocci a depor. "Precisamos ter mais informações, aprofundar as investigações e ter cautela neste processo", afirmou Garibaldi, após o depoimento. O relator avalia que as afirmações de Buratti precisam ser apuradas antes, já que ele não apresentou provas.

"Buratti fez um grande esforço para não responsabilizar o ministro, mas, de certa forma deu a entender que ele sabia do esquema.", avalia Garibaldi.

Já na avaliação do senador Tião Viana (PT-AC), Buratti deixou claro que não tem dúvidas sobre a integridade do ministro Palocci, que apenas ouviu falar de uma pessoa já morta, que havia a tentativa de enviar dinheiro de uma empresa de lixo para o Diretório Nacional do PT.

"Pelos critérios que o relator vem propondo, de só convocar quando houver provas, não há sentido em chamar o ministro Palocci", defende Viana. "Está claro que as ligações telefônicas registradas entre os dois, eram conseqüência de uma relação pessoal"

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) afirmou que é necessário ter cuidado para convocar o ministro Antonio Palocci. "Não devemos jogar fora a credibilidade da economia", afirma.