A Polícia Federal prendeu hoje sete pessoas durante a "Operação Faraó", acusadas pelo desvio de R$ 31 milhões de contas bancárias usadas no pagamento de funcionários públicos de Roraima. Entre os presos, estão dois ex-secretários da Fazenda do ex-governador Neudo Campos, Jorci Mendes de Almeida e Roberto Leonel Vieira, e o ex-secretário do Tesouro de Roraima, Jander Gener César Guerreiro.

Também foram detidos os sócios da empresa Norte Serviços de Arrecadação e Pagamentos Ltda (NSAP), Edson Hispagnol, Oscar Maggi, Humberto Pereira da Silva e Wanderlan Oliveira do Nascimento, além do ex-gerente da agência do Banco do Brasil, Francisco Djalma Brasil de Lima. O valor exato dos desvios é de R$ 31.684.343,95.

Segundo a investigação, os sócios da NSAP foram expressamente autorizados pelos ex -secretários de Estado da Fazenda e do Tesouro de Roraima a movimentarem as contas correntes destinadas ao pagamento dos funcionários públicos do Estado. A movimentação acontecia sem qualquer prestação de contas ou fiscalização estatal, sendo a participação do ex-gerente do Banco do Brasil, recentemente demitido por justa causa, indispensável para acobertar os crimes.

A NSAP teria possibilitado o desvio de verba pública também por meio de funcionários fantasmas ligados a diversas autoridades do Estado de Roraima. O caso, já apurado pela Polícia Federal em novembro de 2003, na Operação Praga do Egito, culminou com o indiciamento do ex-governador Neudo Campos e outras autoridades do Estado.

Os responsáveis pelo desvio foram indiciados por peculato, falsidade documental, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, crime contra a ordem tributária e crime contra a ordem financeira. As penas, se somadas, podem alcançar até 45 anos de reclusão. Os presos ficarão recolhidos, temporariamente na Cadeia Pública de Boa Vista, onde estarão à disposição da Justiça Federal de Boa Vista/RR.