Brasília – O secretário geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, divulgou um comunicado hoje (20), afirmando que a operação feita nesta madrugada pelo exército israelense contra o Hizbollah foi uma violação do cessar-fogo que está em vigor desde o dia 14.

De acordo com a agência Lusa de informações, helicópteros de Israel investiram contra o grupo armado perto de Baalbeck, a leste do Líbano. A operação foi seguida por bombardeamentos e rebatida pelo Hizbollah. A agência não informa se houve feridos.

?O secretário-geral está profundamente preocupado com uma violação pela parte israelita da cessação das hostilidades prevista na resolução 1701 do Conselho de Segurança da ONU", diz a nota de Annan. A resolução determinou a trégua no conflito, iniciado em 12 de julho.

Ainda segundo a agência portuguesa, o secretário transmitiu o protesto do Líbano a Israel, em telefonema feito ao primeiro-ministro Ehud Olmert. O premier israelense teria respondido que o o objetivo do ataque foi impedir o fornecimento de armas ao Hizbollah e não constituiu uma violação da resolução 1701. 

O primeiro-ministro libanês, Fuad Siniora, declarou que o ataque foi uma "violação flagrante" do acordo. O fornecimento de armas ao Hizbollah é a justificativa de Israel para manter o bloqueio aéreo e marítimo ao Líbano.

No comunicado, o secretário da ONU também faz um apelo às partes envolvidas para que "respeitem estritamente o embargo às armas, usem do máximo de contenção e dêem provas de responsabilidade" na aplicação do cessar-fogo. Ele ressalta que qualquer violação "coloca em perigo a calma frágil que foi alcançada após muitas negociações e mina a autoridade do Governo do Líbano".

Por causa da investida israelense, Annan solicitou que sejam enviados ao Conselho de Segurança relatórios diários sobre a aplicação da trégua.