O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, classificou hoje como "especulações naturais" as notícias publicadas na imprensa sobre a suposta troca de diretores do BC para a próxima gestão de governo. "Não há nada nesse sentido", enfatizou Meirelles, acrescentando que, no momento em que houver definições do presidente da República sobre a composição do governo, "veremos com os diretores quais são os planos de cada um".

Meirelles, ao ser questionado sobre os dados da produção industrial de setembro divulgados hoje pelo IBGE (queda de 1,4% em relação a agosto), disse que "não se deve dar maior atenção a dados pontuais mensais". Segundo ele, o importante é observar a tendência, que, segundo ele, é de crescimento, como mostram por exemplo, os dados mais recentes de demanda agregada da economia.

"As condições estão dadas para um crescimento maior", sublinhou Meirelles. Assim como tem feito nas últimas palestras e entrevistas, o presidente do BC destacou que este maior crescimento esperado não virá através de mais inflação na economia. "É importante que possamos discutir o crescimento, sem que isso signifique comprometer conquistas que já fizemos, como a estabilidade. Não vamos inflacionar a economia", reiterou.

Segundo Meirelles, é necessário que se faça uma distinção da função de cada órgão governamental nesse processo de crescimento mais acelerado. "A função do BC é a de manter a inflação na meta levando a uma queda dos prêmios de risco e a uma redução dos juros de longo prazo no mercado. É preciso que saiamos de vez do dilema do passado entre inflação e crescimento", afirmou. Questionado sobre as demais medidas que estão sendo analisadas no Executivo para que a economia cresça mais, ele disse apenas que existe uma "série importante de medidas" que vai além do Poder Executivo. Ele enfatizou, no entanto, que não cabe ao BC comentar o assunto.