Não será em sua primeira convocação, marcada para terça-feira, 1º de agosto, que o técnico Dunga dará pistas do que pensa sobre o elenco brasileiro que fracassou na Alemanha. O novo comandante da Seleção deverá dar prioridade a atletas que atuam no Brasil para formar seu time no amistoso do dia 16 contra a Noruega, em Oslo – seu primeiro trabalho como treinador profissional. Os ‘estrangeiros’ ainda não estão em forma, uma vez que os campeonatos europeus só começam na segunda quinzena de agosto

Dunga chega para reformular. E vai seguir o apelo popular. Dos 23 atletas chamados por Parreira para a Copa, apenas um pediu o boné, Roberto Carlos. O lateral do Real Madrid disse que não jogará mais na Seleção. Dunga terá de encontrar um substituto. Júnior, do São Paulo, não tem o perfil, embora esteja muito bem com Muricy. Gilberto, com 30 anos, está fora também.

Do elenco que foi para o Mundial, outros quatro terão dificuldades para voltar à equipe: Emerson, Cafu, Ricardinho e Adriano. Do quarteto, apenas Adriano tem vaga garantida, mas não ao lado de Ronaldo. Em seu trabalho como comentarista da BandSports durante a Copa, Dunga disse que ambos não poderiam atuar juntos. E assim será. Com Ronaldo em campo, Adriano será banco. E o atacante do Real Madrid ainda goza de prestígio com o novo treinador do Brasil.

Dunga acha que Ronaldo segue sendo o melhor atacante do País, um perigo para zagueiros e goleiros. A única ressalva é que ele precisa estar em forma. "Ninguém vai jogar com nome apenas. Os jogadores vão se escalar pelo que demonstrarem nos treinos", disse aos jornalistas do Rio.

Um nome em especial faz parte dos planos do novo chefe da Seleção Brasileira: Juninho Pernambucano. O jogador do Lyon chegou a declarar após a derrota do Brasil para a França que abriria mão do seu lugar para novos atletas, começando por ele próprio a reformulação.

Ocorre que Dunga aprecia o talento de Juninho e pode precisar dele em campo muito em breve.

A grande maioria dos escolhidos por Parreira deve seguir com chances na Seleção. A lista vai de Kaká a Ronaldinho Gaúcho, passando pelos zagueiros Juan e Lúcio e chegando aos ‘novatos’ Robinho, Cicinho e Mineiro. O mesmo ocorre com os goleiros Dida e Rogério Ceni. Ambos devem seguir vestindo a camisa do Brasil ainda.

A pergunta é quem será o Dunga da Seleção do Dunga. Aquele volante ‘carrapato’ que, por exemplo, teria colado em Zidane naquela partida com a França? Mineiro, Zé Roberto e Gilberto Silva têm potencial para seguir no grupo. E devem seguir com Dunga.