Muro para evitar contrabando na fronteira com Paraguai fica pronto em julho

A Receita Federal e a Polícia Federal resolveram tomar uma nova medida para dificultar o contrabando na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.

Começa este mês a construção de um muro com 1,5 quilômetros de extensão e 3 metros de altura, perpendicular ao Rio Paraná. A barreira deve ficar pronta em julho e terá, no alto, uma concertina, tela circular usada em presídios.

Segundo a auditora da Receita Federal em Foz do Iguaçu CristianeLarcher, a estratégia é evitar que cigarreiros e os demaiscontrabandistas cheguem próximo ao Rio Paraná para apanhar as mercadorias arremessadas do lado paraguaio.

Tudo que foi feito até hoje para a questão lançamento demercadorias na ponte não foi suficiente. Você coloca uma tela, essatela é furada, e as mercadorias continuam sendo arremessadas", conta a auditora.

"Vamosfazer um cercamento impedindo que essas mercadorias sejam apanhadas porpessoas que trabalham ali como laranjas ou mulas transportando essamercadoria de forma ilegal.

Desde outubro do ano passado a fiscalização na Ponte daAmizade está sendo feita 24 horas por dia. Foi cancelado o sistema deamostragem e agora todas as pessoas que passagem pela ponte sãosubmetidas a fiscalização.

Cristiane Larcher admite, no entanto, que o problema do contrabando não será solucionado totalmente com a construção do muro. "Mas com certeza teremos mais controle da situação econseqüentemente a tendência é que a apreensão comece a entrar numacurva decrescente.

Além do muro, a ReceitaFederal, juntamente com as polícias Federal e Rodoviária Federal, vão intensificar a fiscalização em outras áreas da fronteira, como hotéis que servemde depósito de mercadorias, estradas rurais e ainda a nova rota docontrabando pela cidade de Guairá, também no Paraná.

Depois de receber críticas pela construção do muro, o Ministério da Fazenda divulgou nota na qual ressalta os objetivos de construção do muro e nega qualquer intenção de separar os dois países.

Segundo o órgão, a medida deve facilitar as relações e o fluxo turístico entre Brasil e Paraguai, além de otimizar o trabalho das entidades como Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Voltar ao topo