O superintendente do Porto de Paranaguá, Eduardo Requião, que integra a missão comercial liderada pelo governador Roberto Requião ao Chile, anunciou nesta quarta-feira que o município de Pontal do Paraná poderá sediar um porto para melhor atender as movimentação de cargas do Paraná e de países vizinhos. O nome já foi escolhido: Porto do Mercosul.

O novo porto ajudaria o Chile, o Paraguai e a Argentina a ampliar suas exportações e importações pelo Oceano Atlântico. A proposta será formalizada ao governo chileno. “Será um porto com 17 berços, que poderá estar em funcionamento entre 18 e 24 meses, num local que possui um dos melhores calados naturais do país”, adiantou Eduardo Requião.

Na missão no Chile, o governador Roberto Requião e o superintendente do Porto de Paranaguá vão conhecer os portos chilenos que serviram de referência para a criação da Lei de Modernização dos Portos no Brasil, em 1993. “A modernização dos portos teve início no Chile e de lá se expandiu para toda a América do Sul. Naquela época, o Brasil buscou, através das modificações implantadas lá, propor e aprovar a lei 8.630”, informou Eduardo Requião.

Ainda segundo Eduardo Requião, apesar de não contar com terminais de grande porte, os portos chilenos têm qualidade e boa logística. “Este é o começo do intercâmbio que manteremos com outros países do Mercosul, apresentando o modelo de porto público com participação privada, um porto que se transforma e que iniciará em 40 dias a abertura dos editais da primeira fase de implantação do Cais Oeste”.

Assim como o Porto de Paranaguá, o Chile também tem na China e no Japão alguns de seus principais clientes. O país é um grande exportador de cobre, papel, celulose e está ampliando suas exportações. A missão liderada pelo governador Roberto Requião vai promover a cultura exportadora do Paraná em seus principais arranjos produtivos e incentivar a integração regional e o intercâmbio tecnológico e comercial entre os pequenos e médios empresários.