Às vésperas de se aposentar do cargo de relator da ONU para o Direito à Alimentação, o polêmico Jean Ziegler culpa o etanol pela crise de alimentos no mundo e pede uma moratória (suspensão da produção) de cinco anos para o biocombustível. Para ele, o mundo vive uma ?verdadeira tragédia? e os biocombustíveis são ?intoleráveis?.

Depois de quase oito anos no cargo, Ziegler termina seu mandato na próxima quarta-feira (30), tendo visitado mais de 20 países, entre eles o Brasil. Polêmico por ter denunciado nos anos 90 o sistema bancário suíço acusado Israel e elogiado a modesta abertura em Cuba, Ziegler agora não poupa críticas ao etanol.

Para ele, os biocombustíveis são ?um crime contra grande parte da humanidade?, já que provocam a alta nos preços dos alimentos. Sua tese é combatida pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon, que disse não concordar com a visão de Ziegler. Segundo o relator, novos modelos de combustíveis precisam ser encontrados para substituir o petróleo e combater a mudança climática. Mas isso não pode ?matar as pessoas de fome?, ressalva. A solução seria implementar outras fontes de energia e melhorar o transporte público. ?O direito à vida e à alimentação é o principal.?