Um tribunal paquistanês condenou nesta segunda-feira três viúvas de Osama Bin Laden, além de duas de suas filhas, a 45 dias de prisão, por terem entrado e vivido ilegalmente no país, segundo o advogado de defesa Mohammed Amir Khalil. A sentença considera o tempo que elas já passaram encarceradas.

As cinco mulheres estão detidas desde maio do ano passado, quando o líder da Al-Qaeda foi morto na cidade de Abbottabad, próxima a Islamabad, capital paquistanesa, durante uma operação militar sigilosa dos Estados Unidos.

Todas foram formalmente presas em 3 de março, o que significa que cumprirão mais duas semanas antes de serem deportadas para seus países com as crianças mais jovens da família, informou o advogado Mohammed Amir Khalil.

Duas das viúvas são sauditas e a terceira é iemenita, disse Khalil. O Iêmen já aceitou o retorno da viúva iemenita, mas Khalil continua negociando com as autoridades sauditas. A Arábia Saudita cancelou a cidadania de Bin Laden em 1994 por causa de seus ataques verbais à família real saudita.

Khalil disse que não pretende apelar da decisão do tribunal. As informações são da Associated Press.