O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Etiópia disse que o Conselho Executivo da União Africana concorda que o julgamento contra o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, é “totalmente inaceitável.”

Para Dina Mufti, a União Africana acredita que o julgamento de Kenyatta representa uma vontade de dificultar a luta do Quênia contra o terrorismo.

O presidente queniano enfrenta acusações de crimes contra a humanidade entre 2007 e 2008, em função da violência pós-eleitoral no Quênia, onde mais de 1.000 pessoas morreram.

Algumas autoridades africanas indicaram que seus países podem cortar os laços com a Corte Penal Internacional (ICC, na sigla em inglês) em solidariedade ao Quênia. Fonte: Associated Press.