As tropas do ditador Muamar Kadafi encurralaram as forças da oposição em pelo menos duas grandes cidades da Líbia. Kadafi mantém a ofensiva dos últimos dias contra os rebeldes que tentam seguir para a capital Trípoli a partir do território que ocupam no leste do país.

Os rebeldes e as forças leais ao governo trocaram tiros e disparos de foguetes ontem à tarde, a cerca de 20 quilômetros do porto petrolífero de Ras Lanouf. O combate indica que as forças do ditador estavam muito mais próximas dessa cidade do que o imaginado anteriormente. Ras Lanouf é o ponto mais ocidental controlado pelos rebeldes, que estão movendo-se ao longo da principal rodovia da Líbia, na costa do Mediterrâneo.

As forças rebeldes também controlam o território ao sul de Trípoli. Casas e outras construções na cidade de Zawiya foram bombardeadas hoje por forças do governo, segundo relato de um morador de Sabratha, cidade vizinha.

Um jornalista da Sky News em Zawiya mostrou tanques e veículos com metralhadoras controlados pelos rebeldes, na praça principal da cidade. Segundo ele, as forças pró-Kadafi atacam constantemente veículos em movimento, incluindo ambulâncias e carros civis, na fronteira de Zawiya.

Intervenção

A maioria dos conselheiros seniores do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reuniu-se hoje para delinear medidas para pressionar Kadafi a acabar com a violência e abandonar o poder na Líbia.

Eles planejam examinar as ramificações de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e outras potenciais opções militares, disseram autoridades dos EUA, sob condição de anonimato.

Egito

Um alto membro do Exército da Líbia viajou hoje para o Egito, com uma suposta mensagem de Kadafi para autoridades do Exército do país vizinho. O conteúdo da mensagem, porém, não foi revelado.

No Cairo, um oficial do Exército egípcio disse, sob condição de anonimato, que o chefe de logística da Líbia pediu um reunião com os comandantes militares egípcios.

Não houve contatos públicos entre o regime líbio e os generais do Egito desde a eclosão dos conflitos na Líbia em 15 de fevereiro, e não houve voos governamentais durante esse período. As informações são da Dow Jones.